• quinta-feira, 10 de outubro de 2013 20:32

    Vamos conversar?

    # O assunto é sério. Como diz o Aécio Neves, vamos conversar?

    # O consumo de drogas em Santa Rosa está apresentando números estarrecedores. E são números policiais. Não dá nem para imaginar o reflexo de tudo isso na família, na escola, no trabalho e nos sonhos.

    # Enquanto o tráfico e o consumo se proliferam na cidade, não temos campanha de prevenção, de alerta aos pais, às famílias. Dá impressão que estamos esperando por um salvador. Um salvador que não vem e nem virá.

    # A salvação, se é que existe diante de tamanha tragédia, é o fortalecimento da consciência coletiva.

    # O tráfico e o consumo crescem a olhos vistos na cidade, mas as salas de orientação aos familiares (grupos de Amor Exigente) estão vazias. As famílias dão sinais de que estão desistindo.

    # Se é proibido entrar numa sala de aula alcoolizado, vale a mesma pergunta no caso de um adolescente sob o efeito de uma droga? Tem professores e direções de escolas ‘enlouquecendo’.

    # PMDB quer retomar suas forças nas vilas, formando um diretório altamente representativo. Cláudio Franke diz que não pretende concorrer à reeleição.

    # Avança o debate sobre a peridiocidade do Hortigranjeiros. No estilo ‘só mais uma vez’, Neida Fröelich defende o evento em 2014, Ano Internacional da Agricultura Familiar. Vânio Heimerdinger é contra. E você???

    # Tarso Genro anuncia obras emergenciais para recuperar estradas na região. Jura? É prá já, ou para o ano eleitoral?

    # Câmara tira o direito de suplente de vereador ganhar diárias de viagens se não assumir pelo menos 15 dias. Isso significa que antes podia?

    # Sem pestaneio, vá à Oktoberfest. É a nossa maior festa popular.

    # Bancários sinalizaram ontem que a greve continua nesta sexta-feira.

    # Comércio de Santa Rosa não abre neste sábado, dia 12, feriado nacional de Nossa Senhora Aparecida.

    # Leonides Freddi voltou a criticar o Encontro Estadual de Hortigranjeiros que, segundo ele, é nocivo ao comércio local.

    # Inaugurar um outdoor foi demais. Vivemos fases avançadas do marketing.

    # Não dá para não fazer o 31º Encontro Estadual de Hortigranjeiros no ano que vem. Se fizemos 30 encontros em 30 anos, qual é o problema fazer 32 encontros em 32 anos?

    # Orlando Desconsi é contrário ao multiuso do Distrito Industrial Moveleiro.

  • quinta-feira, 3 de outubro de 2013 21:18

    Suspensão do Musicanto/2013

    # Cláudio Joner cumpre o doloroso dever de comunicar a suspensão do Musicanto/2013. Repete um ato feito por Edemir Leite no ano passado, também em outubro, quando anunciou a suspensão do Musicanto/2012.

    # E agora? Quem são os culpados? Na década de 90 critiquei muito o saudoso ex-prefeito Júlio Brum de Oliveira por ter interrompido a sequência anual do festival. Depois critiquei severamente Alcides Vicini e Orlando Desconsi por terem feito a mesma coisa. Faço aqui a mea culpa à memória de Júlio. Vicini e Orlando estão aí para se defender.

    # Quando os culpados são muitos, você começa a se questionar. E agora? Quem seriam os culpados?

    # Se são tantos os culpados, devo me incluir entre eles? E você? E nós todos?

    # O Musicanto já teria cumprido a missão? Com tanta história? Com tanta consagração? Com tanta coragem de ter ido mais além do que a formatação dos festivais de seu tempo?

    # Talvez Júlio Brum, Alcides Vicini e Orlando Desconsi, cada um no seu tempo enfrentando as mesmas dificuldades (falta de dinheiro), tivessem dado uma maior contribuição se tivessem promovido uma maior abertura para o debate. É compreensível que eles lutaram bastante para preservar um dos nossos maiores orgulhos. Aliás, lutaram e lutam.

    # Eles e uns quantos lutaram e ainda estão dispostos a lutar. A questão é como lutarmos, é fazer essa luta virar para o nosso lado (o lado do Musicanto).

    # E é justamente aí que entra Cláudio Joner, contanto que seja ouvido e concedido a ele autoridade para agir. Ele acredita no Musicanto, mas num novo Musicanto, adaptado aos novos tempos. E não teve tempo suficiente para implantar seu projeto.

    # Se não for o Musicanto concebido por Joner, que seja o Musicanto que venha ser concebido por uma consciência esclarecida maior, mais ampla. O que sabemos, sem nenhuma genialidade ou tato à clarividência, que o Musicanto original não tem mais fôlego. Precisa de readaptação.

    # O Musicanto não morre. Cumpre ciclos. Estejamos prontos para o próximo ciclo.

    # Aliás, ando ouvindo muito sobre o que é classificado como excesso de eventos. A cultura sofre primeiro, sempre sofreu primeiro, tanto que em muitos lugares não se faz cultura sob o argumento de que não há dinheiro disponível. O Musicanto é um exemplo gritante. Mas pensem bem. Intercalar Musicanto, Hortigranjeiros, ExpoCruzeiro, Oktoberfest, Indumóveis e outros eventos resolve? Isso soa como a recaída de uma dieta para quem está correndo sérios riscos de saúde, do tipo "continue comendo bastante e errado, mas intercale de xis em xis dias". Resolve?

    # Pode até um evento ou outro ser intercalado, mas não podemos desconsiderar formatos e propósitos.

  • quinta-feira, 26 de setembro de 2013 23:20

    Não ir ao Centro Cívico hoje não é uma opção. É uma renúncia para quem curte cinema.

    # Ao invés de discutir meio ambiente, o engenheiro Jaime Mattiazzi propôs uma ação prática. Nesta semana foram premiados os vencedores do projeto "Santa Rosa Nosso Planeta". A ação prática contagiou mais de 10 mil estudantes. Fantástico.

    # O projeto gerou clima de empolgação, o que mostra que o meio estudantil absorve bem o debate sobre o meio ambiente sem a chatice da retórica.

    # Jeferson Fernandes e Artur Lorentz foram vistos correndo uma maratona em Mar Del Plata. Os dois conseguiram concluir com fôlego os 10 km.

    # No Brasil, o conceito de maratona é de 40 km.

    # Luciane Miranda volta à cena. Está convocando eleição à presidência do Conselho Municipal de Cultura para o dia 15 de outubro. Anda meio desaparecida no debate cultural, desde que Vicini assumiu a Prefeitura.

    # Não dá para comemorar 30 anos de Hortigranjeiros sem lembrar as memórias de Erni Friderichs e Eclair Moraginski. Eles eram o Vânio Heimerdinger de hoje em dia.

    # Santa Rosa tem 82 anos. O Hortigranjeiros situa-se numa faixa cronológica de mais de 1/3 da nossa história. Sintam-se homenageados os contemporâneos que constroem esse feito histórico.

    # Santa Rosa Faz Cinema. Faz mesmo. E fará mais.

    # Não ir ao Centro Cívico hoje não é uma opção. É uma renúncia para quem curte cinema.

    # O Anderson Farias, o Tui e o Schimo merecem elogios pela Mostra e o 2º Festival de Cinema.

    # O 2º Festival de Cinema, que consagra hoje à noite o grande vencedor, tem 15 filmes competindo. E oriundos de várias regiões do Brasil. Isso é fantástico. Mais de 100 filmes passaram pela triagem. Isso é credibilidade do evento. É um redemoinho de cultura criativa.

    # Matei a saudade nesta semana de Fritz Roloff. Lembram dele? Foi diretor do CRES e presidente do 14º Encontro Estadual de Hortigranjeiros (1987). Está na área de comando da Secretaria Estadual de Educação.

    # Fritz Roloff está no Instituto Farroupilha acompanhando a 10ª MEP - Mostra das Escolas de Educação Profissional. O evento termina nesta sexta-feira.

    # Santa Rosa vive uma semana extremamente agitada na sua característica acentuada de Turismo de Eventos. Além da Mostra de Cinema (obrigatória para quem admira essa arte) e 10ª MEP, começa neste sábado a 16ª Oktoberfest. Assim, depressão só em casos extremos.

    # Núcleo da Embrapa começa a existir formalmente hoje em Santa Rosa. Mérito de Elvino Bohn Gass.

  • segunda-feira, 23 de setembro de 2013 07:03

    Pra ti, Daltry

    Daltry Cardoso Teixeira se diz aposentado. Lançou em alto estilo na sexta-feira passada, na Casa dos Italianos, o livro ‘Domador de Sonhos’, uma autobiografia. Uma obra na qual ele se esforça para sintetizar sua história de quase 50 anos como defensor de réus no Tribunal do Júri. Um esforço inútil. Ninguém consegue sintetizar a história desse monstro do Direito. O maior tribuno que vi e ouvi. Um homem predestinado a ser diferente por estar acima da média.

    A coragem sempre foi um dos traços fortes de Daltry, mas nada comparado à decisão de escrever um livro. Lendo ‘Domador de Sonhos’ despertei na mente episódios marcantes da vida regional, além de ter aprendido mais sobre a trajetória do mais consagrado criminalista local. Numa autobiografia, o autor se expõe. E para se expor é preciso coragem, principalmente para um homem que trilhou sua vida entre o amor e o ódio gerados pelo ambiente do júri.

    Nos dramas existenciais que cada um carrega, o livro de Daltry exerceu em mim um descortinamento. Me inflamou de vida. Deu sentido ao passado, mas sem a nostalgia de quem sofre por exigir demais de si próprio.

    Daltry, o conceito de aposentadoria não tem nada a ver contigo. Que venha ‘Domador de Sonhos II, III, IV....’. Vá contar tuas histórias para uma geração entubada em redes sociais que fornecem a sensação de saber tudo, quando no frigir dos ovos se sabe muito pouco. Vá palestrar por aí, repartir tua diferença intelectual com os que te admiram.

    Você é o típico vulto que nem a morte de para. Você veio pra ficar. Retome os teus arreios, monstro!

    Sou feliz por ter vivido no tempo de Daltry Cardoso Teixeira.

    Em tempo: ‘Domador de Sonhos ’ está à venda na Livraria Magia das Letras