• sexta-feira, 30 de setembro de 2016 11:23

    Decisão tira uma costumeira encrenca de última hora do pleito.

    # Retorno hoje a esta coluna. Me desejam boa sorte.

    # E o assunto é um só: política de manhã, tarde, noite e para alguns até em plena madrugada.

    # Falando em madrugada, juiz eleitoral proibiu divulgação de pesquisas eleitorais em Santa Rosa. Brilhante decisão, que acaba com uma prática que afronta qualquer pessoa séria. Afinal, pesquisa circulando de mão em mão e paga por um partido ou coligação? Que candidato estaria na frente?

    # Decisão do Doutor Adalberto Hommerding tira uma costumeira encrenca de última hora do pleito.

    # Com dois debates, um na Noroeste/Guaíra FM e outro na RBS TV Santa Rosa, dezenas de outros debates segmentados, uma campanha com centenas de inserções no rádio e na TV, candidatos pra lá e pra cá em todos os cantos de Santa Rosa, creio ser quase impossível que alguém ainda se defina como indeciso.

    # Se não me dessem nenhuma chance de incluir ou retirar sugestões entre a legislação da campanha deste ano e a de 2012, fico de longe com a de 2016. Mais enxuta, mais limpa (placas, cavaletes, santinhos...) e a limitação do tempo. Com pouco tempo no rádio e na TV, os majoritários brigaram menos e apresentaram mais claramente suas propostas.

    # Liguem o rádio na Noroeste já no domingo pela manhã. Durante a programação normal, qualquer acontecimento vinculado ao pleito será imediatamente divulgado. E depois das cinco da tarde, o momento mais emocionante de todo o processo: a cobertura do anúncio dos vencedores das campanhas majoritária e proporcional.

    # Zelindo Cancian é candidato em Tuparendi? Não! Porém, foi talvez o nome mais mencionado da campanha.

    # O que o Zelindo desenvolveu, na prática, foi uma estratégia. Chamou pra si as críticas, livrando o candidato que ele apoia. Azar de quem caiu nessa.

    # Nego Weiss é sangue bom. Tomara que o eleitor de Porto Mauá compareça em grande número às urnas para avalizar seu mandato, mesmo que, por lei, precise de apenas um voto para ser eleito.

    # Candidato que fez gravação no ambiente da Câmara foi absolvido.

    # As questões federais (Lava Jato e prisões) só foram acentuadas na campanha local nos últimos dias, fazendo parecer que o assunto vinha sendo bem estudado do tipo ‘vale a pena?’ ou ‘se ganha ou se perde com isso?’. Desandaram no fim.

    # O PT de Orlando quase lotou uma cadeia no Paraná, o PMDB que apoia Colla perdeu em uma semana um ministro acusado de ladrão e tem vários boludos indiciados, e o PP de Vicini tem relacionado cinco deputados federais na lista dos recursos ilegais. O PSDB será investigado por obras do metrô de São Paulo. Debater especificamente este assunto é tipo lavar criança com água embarrada.

    # Só Deus e os Procuradores da República sabem o que ainda virá sobre as quadrilhas de Brasília.

    # Partido que paga pesquisa é para usá-la no consumo interno. Isso é inteligente, recomendável e estratégico. O resto é pura lambança.

    # Boa sorte a todos os candidatos e até domingo.

  • sábado, 24 de setembro de 2016 11:21

    A contar de hoje faltam apenas oito dias para a decisão

    # Notem que o clima está mais quente. A política está à flor da pele de muitos. A contar de hoje faltam apenas oito dias para a decisão.

    # Dizem que o promotor eleitoral não tem tempo nem para dar entrevista para a imprensa. São processos e mais processos. Alguns políticos apostam no cansaço, outros na Justiça.

    # Notou que deu uma diminuída principalmente nos carros de propaganda com som alto?

    # O tenente Azevedo já deixou bem claro. Neste ano nenhum candidato vai subir na carroceria de caminhão ou caminhoneta para fazer propaganda. Os que arriscarem serão multados. Acabou a várzea.

    # O Ministério Público Federal investiga a construção de uma quadra poliesportiva na Escola Municipal de Ensino Fundamental Princesa Isabel. A obra está parada.

    # O Ministério Público Federal investiga a falta de um refeitório em determinada escola municipal. O recurso estaria disponível, mas a construção não estaria andando.

    # O MPF acionou a Vigilância Sanitária para que eliminasse um foco da dengue. A resposta teria demorado.

    # Voltando à campanha, em municípios como Tuparendi, é melhor ter algumas pessoas como adversárias. Pois quando estão do lado, provocam estragos muitas vezes irreversíveis.

    # Na semana do trânsito fomos brindados com duas novas sinaleiras. Uma delas gerou uma gritaria. Seria mesmo à hora de criar desgaste com a ação. Alguém tinha de fazer algo, e fez. Com o tempo os tempos da sinaleira serão ajustado e tudo voltará ao normal.

    # Nenhum candidato propôs a participação da comunidade nas decisões. Alguém se propõem?

    # E sobre as tais pesquisas eleitorais. No ponto de vista deste pequeno pássaro, elas deveriam ser proibidas. Cada um vota em quem deseja e pronto!

    # Em Porto Mauá então. Tudo tranqüilo e sereno. O candidato a prefeito está praticamente eleito. A briga é entre a proporcional.

    # Em Tuparendi contas antigas podem ser acertadas neste pleito. Ou ao menos virem a tona.

    # Os candidatos a prefeito por Tuparendi serão os primeiros a abrir o debate na Rádio Noroeste. O confronto está marcado para as 15h, da terça-feira, 27.

    # Alcides Vicini, Rodrigo Colla e Orlando Desconsi debaterão suas propostas na quarta-feira, 28, a partir das 08h30min. A transmissão será pela AM e pela Guaíra FM. Você poderá acompanhar a expressão, “caras e bocas”, pelo Facebook.

    # E você já escolheu seus candidatos? Pense com carinho, afinal estamos falando de quem estará a frente do nosso município nos próximos quatro anos. Depois pouco adianta reclamar.

    # P.S e o abaixo assinado para a redução do salário dos vereadores?

  • sábado, 17 de setembro de 2016 09:53

    Afinal para quem devemos votar?

    # Aposto que nem que seja por uma vez na semana, mas você já ouviu ou assistiu a propaganda eleitoral gratuita.
    # Estamos na reta final da campanha e notamos na roda de amigos que muitos ainda estão indecisos. Afinal para quem devemos votar?
    # E as pesquisas que não saem? Será que nenhum está na frente ou nenhum tem interesse de divulgar?
    # Nesta semana atendi uma ligação na qual a moça se identificou e me questionou sobre minha intenção de voto. Mas antes disso a pesquisa perguntava sobre a rejeição. Em quem você não votaria e por que?
    # Será foco de campanha apostar na rejeição de algum nome?
    # Sem pesquisas registradas, sabemos que o resultado da eleição só será conhecido depois das 17h do domingo, 02 de outubro. Nem a Mãe Diná seria capaz de arriscar um palpite hoje.
    # O que está turbulenta é a Justiça Eleitoral. As denúncias não param. O que deveria ter trégua é o som de rua dos candidatos. Ao menos aos domingos à tarde eles poderiam respeitar o descanso da comunidade.
    # Na eleição “Facewhat’s” tudo acaba sendo levado na esportiva. O debate é ferrenho, mas sempre os mesmos que elogiam ou criticam.
    # Talvez o que deixa os candidatos com mais receio é o fato de as pessoas não se apropriarem da campanha. Hoje a campanha é praticamente é dos “cabos eleitorais”.
    # Tuparendi respira um ar mais sereno. Em Porto Mauá, sem oposição, a eleição é apenas na proporcional.
    # Caros candidatos: é vedado o uso de repartições públicas para fazer campanha. Há um processo na Justiça que talvez tenha desfecho de julgamento nesta sexta-feira tratando de um caso que contraria tal vedação.
    # Que repercussão ou influência terá a denúncia apresentada esta semana contra Lula pela Operação Lava Jato?
    # Tendência na reta final da campanha na televisão é de palavras mais ásperas e dedo em riste.
    # Debate de ontem, no Gega, por exemplo, já mostrou maior disposição dos candidatos a prefeito de engrossar mais a voz.
    # Na verdade pesquisas existem na cidade, mas de consumo interno de cada chapa majoritária ou coligação que a contratou.
    # Que me perdoem as escolas, mas numa campanha tão rápida como a que vivemos e se a atual legislação eleitoral persistir em 2020, é necessário um debate antecipado entre coordenadores e direções de educandários para que se promovam debates para um conjunto escolar. Isso, inclusive, vale para as entidades empresariais, como Acisap e Sindilojas, que ao invés de dois debates poderiam ter feito um só. Tudo por causa do tempo.
    # Uma ideia para os candidatos a prefeito. Quando forem convidados para um debate, não levem o vice. Mandem o vice pras ruas. Afinal, o tempo é ínfimo para os vices nos debates segmentados.
    # Duvido que os comícios (que saudades!) um dia retornem. Aposta nos debates segmentados, mas planejados para setores inteiros, tipo escolas, movimento empresarial, trabalhadores do campo, acadêmicos...

     

  • sábado, 10 de setembro de 2016 10:19

    Alguns falam muito de passado, mas e o futuro?

    # Durma e descanse com este barulho. Os candidatos estão ultrapassando e utilizando suas “músicas” para perturbar o sossego da comunidade.
    # A fiscalização da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável deve se intensificar, mas para isso acontecer são necessárias denúncias. Se o som for muito alto e não estiver no horário permitido, denuncie no Portal do Cidadão da Prefeitura de Santa Rosa ou no Cartório Eleitoral.
    # Mais dois candidatos a vereador foram denunciados na Justiça Eleitoral. Os dois por propaganda irregular. A Justiça está cumprindo a lei.
    # Quem diria, o que era para explodir, apenas acalmou. Tuparendi está calmo e sereno. Problema superado. Será?
    # A eleição de Santa Rosa apresenta um dado interessante: a Avenida América todos começaram, mas ninguém terminou.
    # E o vermelho voltou a ser usado, não só por Orlando. Vicini esteve por duas ocasiões, em debates, com seu suéter vermelho. Colla se recusa a usar a cor.
    # Alguns falam muito de passado, mas e o futuro?
    # Quem acha que a eleição está definida pode ir tirando o cavalo da chuva. A definição só será conhecida no dia 02 de outubro. Não leve por surpresa se...
    # Os candidatos se propõem a trabalhar com a queda de arrecadação e de repasses? O que sobe em Santa Rosa é só o IPTU.
    # Hoje as reuniões das coligações estão acontecendo mais em grupos do whatsapp. E se neles estiverem forasteiros? Cuidado com o que dizem lá, pois tudo tem olho e ouvido. E as táticas podem ser inoperantes se descobertas a tempo.
    # Circula uma pesquisa, mas ela só avaliou os veículos com propaganda. Adivinha quem está na frente? A Hinode vence a eleição em Santa Rosa. Quanto carro, heim!
    # Em tempos de crise, até os adesivos são em número menor. Os que ultrapassam o limite, acabam parando no “capa preta”. É para ser uma eleição “de igual pra igual”.
    # Moradores da Bela Vista estão assustados com o estilhaço de pedras, provocado pela explosão de roxas na obra da Corsan. Quem vai arcar com as despesas das residências? Telhados foram danificados, carros tiveram sua lataria amassada e pessoas tiveram sua segurança violada.
    # Amauri Giovelli, de vários anos na política, anuncia que está deixando a vida pública neste final do ano, independente do resultado das eleições majoritária. Diz que sai numa boa com todos do PP e que trata-se de uma decisão pessoal.
    # Perdemos Zéio, aquele baixinho que jogava pela direita do Dínamo na década de 1990 e que o saudoso Nene Zorzan apostava muito. Ele morreu ontem, em Itapema.
    # Campanha majoritária pode contrariar eventualmente o que um ou outro eleitor pensa diante de sua autoridade incontestável de avaliação, mas, convenhamos, ela vem sendo conduzida até agora num nível elevado de parte das três candidaturas majoritárias.
    # Campanha eleitoral funciona assim. No começo, todos falam manso. Depois, vêm as pesquisas e os números causam reações. O primeiro que falar mal do outro é porque está mal na pesquisa. E o 'outro' que foi falado é porque está bem. Não tem nada de genialidade nisso, mas é só uma lembrança de conceito.
    # O alto nível da campanha deve-se em grande parte pelo tempo reduzido. Não dá para ficar falando mal dos outros e deixar propostas para o eleitor de lado.
    # A nova forma de apresentação dos candidatos à vereança é nota 10. As inserções não são exaustivas para o telespectador e os candidatos tiveram mais tempo para produzir um material de melhor qualidade.