• sábado, 18 de novembro de 2017 11:54

    Uma lenha na fogueira do Parque

    É para ontem que se faça uma discussão mais profunda em torno do uso do Parque de Exposições de Santa Rosa, reconhecidamente um dos mais bonitos do Estado. Quem tem que puxar a frente? A Prefeitura, ora.

    Cabe impor certas medidas, mesmo a contragosto. E não penso no dito custo mensal. A Prefeitura, segundo dito pelo secretário Rodrigo Burkle, gasta mais de R$ 60 mil mensais com a manutenção, limpeza e segurança da estrutura. Ou seja, R$ 720 mil ao ano.

    Parece muito, mas apenas a Fenasoja, dito pelo presidente Alexandre Maronez, investiu R$ 6,6 milhões em melhorias e estruturas novas nos últimos anos. Junte a este valor o agregado pelas etnias nas Praças das Nações, associação de kart, Hortigranjeiros, etc e tal, e teremos um número bem maior.

    Colocado assim, vê-se que a prefeitura muito ganha com a presença das entidades diversas, e que seu valor mensal aportado é pequeno. E a Prefeitura não pode se eximir de cuidar do espaço que é seu.

    No entanto, fica claro em qualquer discussão mais franca, como foi o debate na Rádio Noroeste no último sábado, que o Parque de Exposições carece de formar um grupo gestor, um núcleo de decisões, e isso é para ontem. Um conselho que reúna todas as entidades sediadas lá, e não são poucas, com poder decisório.

    A Prefeitura já fez tentativas nesse sentido, de estabelecer um plano diretor e formar um grupo capaz de decidir uso do espaço. Freou nas reações de alguns. Recuou. Tem que bater pé, bater martelo, e pronto.

    Do modo como está, a Prefeitura se omite e é refém dos contratos de concessão já assinados. Simples assim, há vários espaços em que a Prefeitura não manda. É do Município, mas também não é. Não estou citando esta ou aquela entidade, até porque seria injusto.

    Convenhamos, o Parque de Exposições é público e administrado pelo ente público, que tem todos os custos. Quem paga algo para a Prefeitura? Uma taxa de uso de R$ 1.500,00 por dia de evento promovido é nada diante do lucro que alguns eventos auferem.

    Meu pensamento é simples. Parte do lucro de todas as entidades que promovem eventos (rodeios, bailes da terceira idade, kart, shows, etc.) deve ficar para o caixa comum do Parque de Exposições. Não para a Prefeitura. E esse conselho gestor decide como investir.

    Essa discussão é para ontem.

    Ah, tem Festa das Etnias no Parque neste final de semana.

  • sábado, 4 de novembro de 2017 08:47

    A prosa sobre ideologia de gênero

    Dia desses, vi o Zelindo questionar com veemência: Quem está por trás da ideologia de gênero? Os partidos de esquerda ou de direita?

    Eu mudaria esta pergunta, Zé. Eu a faria da seguinte forma: Quem tira proveito de toda essa discussão em torno da ideologia de gênero?

    No entanto, qualquer leitor que queira responder as perguntas formuladas acima se verá diante de uma resposta em comum: há um viés político por trás de todo este cenário. Isso é indiscutível.

    Penso que há algo muito maior, algo orquestrado, por trás de todas estas discussões recentes em torno das exposições e manifestações dos grupos de ativistas dos movimentos LGBT e afins. E, sinceramente, me faltam peças para montar o quebra-cabeça.

    Concordo com o pensamento da maioria, esse que dissemina a ideia do berço comunista/socialista de esquerda ao fomento da ideologia de gênero. Tem esse viés de desconstituir a sociedade tradicional, retirar o foco das coletividades para fortalecer indivíduos, desta forma é mais fácil controlar as pessoas. Há uma cartilha para isso.

    Mas, então, se o movimento é de esquerda, porque empresas capitalistas de grande poder econômico, como Unillever, Itaú e Santander financiam exposições e projetos que focam identidade de gênero? Em tese, este seria o ápice do capitalismo, financiar uma revolução social promovida pela esquerda mais ortodoxa? Podem crer que não!

    Essa marcha em torno dos direitos dos homossexuais (e tantas outras definições) sempre existiu. É de anos essa caminhada. Porém, ganhou espaço tão enorme recentemente, por quê? Ou então, talvez devêssemos nos perguntar: Conservadorismo interessa a quem? Moralismo interessa a quem? O MBL trabalha para quem?

    Penso, cá com meus botões, claro, que o resumo da ópera é o seguinte: não há questões familiares e sociais em discussão, embora as igrejas e grupos se manifestem em nome da família. Há apenas um jogo político. Os partidos que brigam pelo poder nacional querem tirar proveito deste caos semeado.

    A esquerda quer se valer da ideologia sim, conquistar os eleitores jovens, os milhões de simpatizantes e os mais liberais. Já a direita (e o centrão é direita) se apoia no moralismo para reconquistar votos que perdeu com as merdas que fez apoiando o governo Temer.

    Há dois pontos em comum nisso tudo: os dois lados querem ganhar politicamente fomentando a discussão, os dois querem puxar o tema à baila para fazer o povo esquecer os roubos que cometeram.

    Toda essa discussão tem um nó bem dado. As velhas hienas que estão no poder querem se manter lá e contam com nossa cegueira.

    No meio disso, estamos no mesmo cenário que 1964. Acorda povo! Renovação 100%. Não vote em ninguém da esquerda, direita, centro ou seja lá o que for que esteja lá.

  • sábado, 28 de outubro de 2017 09:38

    A vaca atolada

    Na semana passada eu voltava de Porto Vera Cruz, no maior calorão da tarde, quando vi as vacas, literalmente, enfiadas nas águas. Aí pensei: somos nós aquelas vacas ali.

    Putz! Primeiro ri de mim mesmo, do funesto pensamento. Depois fui tecendo um cenário que me entristeceu. E nesta semana, quando o Temer saiu ileso mais uma vez e a Folha de São Paulo divulgou que o Governo gastou R$ 31 BILHÕES para safar o presidente, tive mais certeza ainda: o povo brasileiro é a vaca atolada!

    Era cinco horas da tarde, uns 30 graus, sol de rachar, vento quase parado. Primeiro, vi cinco vacas dentro de um riacho cristalino. Depois vi três em um açude que era mais barro que água. E depois, mais adiante, vi outras, algumas em açudes que eram somente lodo. As vaquinhas, de fato, estavam atoladas.

    Que alívio para elas aquela água, um refresco em tarde tão quente. Aí formou o filme em minha mente! Eu sou a vaca atolada. Você é a vaca atolada, a menos que esteja associado aos que detêm o poder. Nós, brasileiros, estamos em frescor falso. Sobre nossos lombos há um sol de torrar, um calorão de minguar as esperanças, mas nos contentamos com o refresco nas canelas, canelas que estão atoladas no barro.

    O alívio nos pés não muda em nada o sol que fustiga. Aqueles deputados que livraram a quadrilha duas vezes usaram argumentos como retomada do crescimento, volta do pleno emprego, condução do país à credibilidade internacional. Balela! Estão com os bolsos cheios.

    Nós, as vacas atoladas, pagamos a conta com os aumentos semanais do gás e da gasolina, com inflação no mercado, com pontos de retrocesso na reforma trabalhista, com a venda da Amazônia, a mudança da lei do trabalho escravo e logo com a reforma da previdência que farão valer. Tudo negociado com os pilantras.

    Quanto discurso imbecil! Mais empregos? Como se eles não tivessem responsabilidade do caos! A grana de hoje vale a metade que há um ano. Perguntem na FEMA ou na Unijuí quantos universitários trancaram as faculdades ou quantas vagas há em cursos superiores. Aí terão uma noção mais exata da realidade semeada pelo MBL.

    Insistirei até o último dia com meus leitores e ouvintes na Rádio Noroeste: não votem em ninguém que esteja nos cargos políticos atuais, independente de partido. Renovação 100%. Sejamos corajosos para propor uma revolução pelo voto.

    Ou isso ou continuaremos vacas atoladas. Vaquinhas com pés na água ou no barro, mas as costas castigadas pelo sol inclemente desses corruptos que saqueiam a nação.

     

  • segunda-feira, 23 de outubro de 2017 07:20

    Culto ao jeitinho brasileiro

    Desde que me conheço por gente ouço falar do “jeitinho brasileiro”. O malandro, o esperto, aquele que leva vantagem em tudo; este homem é cultuado há décadas no País.

    Pois é, esse culto à malandragem nos trouxe ao cenário atual. Deu no que deu! Deu na “nhaca” na qual mergulhamos. Esse “jeitinho” sempre foi visto com bons olhos, tanto é que nos apaixonamos pelo Zé Carioca dos quadrinhos. Ocorre que, aos poucos, o jeitinho entranhou no povo e fez do Brasil um dos piores exemplos mundiais.

    Não sou eu quem afirma isso. É uma pesquisa realizada em 147 países que participam do Fórum de Davos, que é o local onde se discute o ‘futuro’ do Planeta (eca!). O estudo apontou que temos os piores políticos do mundo. Dá para crer nisso? Dá, infelizmente. Dá porque vemos os exemplos de corrupção e “jeitinhos para se safar” todos os dias.

    Aliado a este comportamento do jeitinho malandro, nunca devemos ignorar que o brasileiro sofreu com séculos de escravidão e submissão a ponto de se acostumar a ela. E os exemplos de rebeliões são trágicos, pois as revoltas sempre foram repelidas a custo de muito sangue.

    O brasileiro não conhece a sua história, se conhecesse ficaria horrorizado com os massacres sanguinários que o governo brasileiro já impôs ao seu pobre povo, a começar por Palmares, Cabanagem, Canudos, Contestado, os Muckers, etc e tal. Sempre venderam a imagem de grande vitória contra os rebeldes. Sempre venderam a imagem de que os culpados eram os miseráveis revoltos.

    E a imprensa contribuiu muito para vender essa imagem. E segue a fazer um trabalho sujo. Na semana passada o brasileiro foi massacrado cruelmente em um único dia, no dia do jogo da Seleção do Brasil. A imprensa só falava da possibilidade de a Argentina (Messi) ficar fora da Copa. Naquele dia se safaram das malhas da lei, com artimanhas jurídicas e políticas o Maluf, o Jucá, o Franco, o Aécio (na decisão do STF) e o Temer. Para a imprensa nada importava. Era dia de zoar dos argentinos. Acordamos nus no dia seguinte!

    O nosso Congresso, as Assembleias estaduais, o Senado e todas as instâncias de governo são exemplo desse jeitinho brasileiro. Há uma semana a RBS denunciou uma farra de assessores legislativos no Rio Grande do Sul, onde certos deputados têm 27 funcionários ligados a eles, tudo dentro da lei. Logo nós, os moralistas, os exemplos a sermos seguidos! Nada, nenhum pio nas ruas. Por que não? Porque só estamos esperando a hora certa de bajular algum político em vez de jogá-lo na lixeira como fizeram recentemente na Ucrânia.

    O mais rico empresário americano do setor de imóveis, dias atrás, disse que não vem investir aqui porque não é possível pagar tanto corrupto! Bah.

    Nosso 2018 está aí. Acorda, povo! A culpa dessa “nhaca” não é dos empresários corruptos presos e denunciados na Lava-jato. A culpa é dos políticos.