segunda-feira, 6 de março de 2017 07:20

A segurança está na praia

Os oficiais da Brigada, até mesmo pela natureza do posto que ocupam, não dirão isso, mas nossas cidades interioranas ficam desprotegidas no verão.

Há muito ouço falas, inclusive de parlamentares gaúchos, que apontam à falta de efetivo na Brigada Militar para que a corporação consiga dar conta de toda a demanda para impor segurança pública. É bem verdade que o Estado adotou algumas medidas alentadoras, fez concurso e demonstra algum empenho para reforçar o quadro.

Também é verdade que o interior do Estado até é razoavelmente calmo se levarmos em conta o abandono a que estamos expostos, mais ainda nesta época do ano em que boa parte do efetivo é deslocada para as praias, para onde migra significativa parcela da população.

O interior está calmo porque nosso povo é trabalhador e ordeiro. E porque os brigadianos e a nossa Polícia Civil são heróicos e competentíssimos. Não é mérito do Estado. É mérito de homens e mulheres que realmente vestem as fardas!

O cenário está calmo “até ali”, pois Santa Rosa teve três assaltos em um só dia, na véspera do Carnaval... E dizem que foram mais, alguns sem registro (e parabéns à Polícia que logo trancafiou o meliante). Ali ao lado, em Alegria, houve ação pesada em agência bancária no feriadão. Teve outro município com o famoso “corredor humano” enquanto bandidos limpavam dois bancos. Calmo!

Noutro dia estávamos na praça com os alunos quando fomos importunados seguidamente por um rapaz que hostilizava as pessoas. Ele fez o mesmo com três meninas que estavam de “converse” e com outros que tentavam desfrutar o espaço de lazer. Que-de-le o efetivo do módulo da BM?

Os meliantes sabem que estamos desguarnecidos em dias assim, em que parte do já parco efetivo é deslocada para assegurar segurança aos veranistas. Os roubos e arrombamentos também aumentaram nos últimos meses, aproveitando a safra de viagens. E isso não é reflexo da crise, ou melhor, é reflexo da crise na segurança pública.

Há muito a se repensar nesse todo da segurança pública. Entendo que a população da praia quintuplica nesse período do ano, mas deixar à mercê o interior também não é solução.

Dia 31 deste mês haverá um evento da FEBAP para discutir as questões da segurança na região de fronteira dos três países. Hora boa de chamar nossos parlamentares e fazê-los participar do processo.

Enquanto isso, presos em viaturas, algemados em latas de lixo ou trancafiados em carros que deveriam estar na rua...

Faça seu comentário