• terça-feira, 10 de novembro de 2015 15:17

    Com sol ou com chuva

    Não me contive e fotografei para compartilhar com meus amigos.

    A chuva foi intensa nesta terça-feira, 19, e enquanto eu trabalhava, observava de minha janela a água que lá fora caia. Pessoas correndo para não se molhar e pessoas molhadas, mesmo escondidas embaixo de guarda-chuvas. Alguns apenas passeando e outros trabalhando.

    E os meninos e meninas do estacionamento rotativo trabalhando abaixo de chuva. Muita chuva.

    Não me contive. Saí da minha sala, desci as escadarias e fotografei a menina trabalhando. Seus pés molhados e sua roupa úmida.

    Um tempo atrás, quando chovia em Santa Rosa, os ‘azuizinhos’ do trânsito ficavam na sede da coordenação. Isso evitava que os mesmos se molhassem.

    Uma nova empresa assumiu, a taxa de estacionamento rotativo passou a ser cobrada mesmo com chuva, e, com isso, os jovens trabalhadores passaram a se molhar.

    No meu ponto de vista é desumano um trabalhador estar exposto desta forma. Precisamos fazer algo para mudar esta realidade.

    • Foto Jardel Hillesheim/Jornal Noroeste. Foto Jardel Hillesheim/Jornal Noroeste.
  • segunda-feira, 9 de novembro de 2015 11:07

    “Não conseguimos dormir pois minha casa balançava com o som”

    O volume das músicas de alguns eventos realizados na cidade, principalmente no final de semana, fez com que diversos ouvintes da Rádio Noroeste debatessem o assunto na manhã de hoje.

    Conforme as reclamações, diversas pessoas não conseguiram dormir, devido ao volume alto, durante um show realizado na madrugada do domingo, próximo ao estádio Antonio Carlos Denardin, região central de Santa Rosa.

    Uma ouvinte, identificada por Maria Helena, destacou que reside em frente a Vigor Arte Show, onde um evento teria sido realizado. “Tenho um filho que precisa de cuidados especiais, devido a seu estado de saúde, e não conseguimos dormir. Minha casa balançava com o som”, reclamou Maria. A organização do evento destacou que trabalha com uma empresa especializada e toma cuidado para que o volume não se exceda.

    Fernando Borela, secretário de Desenvolvimento Sustentável, destacou que recebeu diversas reclamações e sua equipe está tomando as precauções necessárias para fiscalizar as casas de shows, para que o direito da comunidade seja garantido.

    O assunto não é novidade na cidade. Os eventos precisam ser realizados, pois possuímos um grande número de jovens, por sermos um pólo universitário. Mas os organizadores precisam respeitar as leis, as quais muitas vezes são cumpridas quando a comunidade denuncia e exige melhorias.

  • terça-feira, 20 de outubro de 2015 10:01

    Eu assinei!

    Circula pela cidade um Abaixo-assinado para a propositura de um Projeto de Lei de Iniciativa Popular visando a redução do subsidio dos vereadores da Câmara de Santa Rosa. A ação é encabeçada pelo Movimento Ordem e Progresso, e prevê que o subsidio passe de R$6.973,46 para R$ 1.576,00, ou seja o mesmo valor de dois salários mínimos, que hoje é R$788,00.

    Eu tive o prazer de assinar a petição, pois acredito que a medida fará com que pessoas interessadas no desenvolvimento da comunidade terão chance de se eleger. Já pensou como irá diminuir o investimento em campanha?

    Já fez a conta de quanto cada vereador recebe nos quatro anos de mandato? Eu fiz, somando os 48 meses, chegamos ao número que impressiona, R$334.726,08, por parlamentar. É um investimento muito alto, o que explica a disputa tão acirrada.

  • segunda-feira, 5 de outubro de 2015 10:54

    Números de 2014

    Reportagem de capa do Jornal Noroeste desta sexta-feira mostra o custo das câmaras de vereadores na região.
    Por surpresa a cidade onde a população paga o valor mais alto para manter o serviço é Porto Vera Cruz. Cada porto-veracruzense paga R$222,11 por ano para manter o legislativo funcionando. Em P.V.C os nove vereadores gastaram R$ 24.829,00 só em diárias. O custo da câmara em 2014 foi de R$391.816,65. Já o salário de cada parlamentar é de R$ 2.166,87, e presidente da casa ganha uma verba mensal de R$511,49, além do salário.
    A Câmara de Vereadores de Santa Rosa gastou R$ 3.714.612, 18 sendo que cada habitante paga R$ 51,60/ano para manter o serviço.
    O absurdo é registrado em Porto Mauá onde os vereadores gastaram R$ 71.681,00 em diárias com viagens. Lá cada habitante paga R$ 214,14 para manter o serviço.

    Diante de todos esses números devemos refletir sobre o problema, que por sinal é bem sério. Não estaria na hora de diminuirmos o número de vereadores nas câmaras de nossa região? Porto Vera Cruz por exemplo, poderia sobreviver com apenas cinco vereadores. Santa Rosa conseguiria com nove?

    Essas perguntas devem ser respondidas pela população, que deve participar mais da política, levantando problemas e buscando soluções.