• quarta-feira, 5 de julho de 2017 14:22

    Alimentos calmantes

    Uma alimentação saudável e equilibrada ajuda a aplacar os efeitos nocivos da ansiedade sobre a saúde. Alguns alimentos, como a alface, o farelo de aveia e o abacate, atuam no combate ao estresse, favorecem o sono e fornecem a matéria-prima de que o organismo precisa para fabricar neurotransmissores - substâncias químicas que regulam o humor e induzem ao relaxamento, provocando sensação de bem-estar. A tripla jornada das mamães merece pelo menos um desses alimentos, para manter toda calma do mundo.Confira abaixo algumas dicas da Nutricionista Mirelli Papalia das melhores fontes de nutrientes:

    Banana e aveia

    São alimentos ricos em triptofano, que por sua vez é precursor da serotonina , hormônio do prazer e do bem estar.

    Chá de camomila

    O chá de Camomila seca apresenta propriedades relaxantes e ligeiramente sedativas que ajudam a tratar a insônia, a relaxar e a tratar a ansiedade e o nervosismo.

    Alface

    As folhas de alface possuem propriedades calmantes e podem ser ingeridas de duas formas: na salada ou chá com as folhas.

    Agora inspira e respira....e vá na feirinha comprar esse alimentos para manter a calma!

    Maternidade

    Quem ama cuida.

    Dicas e sugestões

    franciele@jornalnoroeste.com.br

  • segunda-feira, 3 de julho de 2017 14:15

    Animal de estimação e crianças

    Antes de dizer sim e se render aos encantos de um peludo, é preciso levar muita coisa em consideração. Aqueles filhotes fofos e gordinhos que encantam qualquer criança são mesmo irresistíveis. Nós temos um pincher chamada Pitty. Ela ama ficar pertinho das crianças.

    Ter um animal de estimação é na verdade ter mais um membro na família. Antes de se decidir, leve em consideração todos os aspectos que podem impactar em sua casa.

    De acordo com o Departamento Científico de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasileira de Pediatria a primeira coisa a se considerar é a saúde de seu filho e de sua família. Alergias a animais de estimação ocorrem com apenas 10% da população. As mais comuns são rinite, asma ou erupções cutâneas. Mas isso não quer dizer que as crianças que tenham alergia não tolerem a presença desses animais.

    Conforme o veterinário da Multibichos, Alex de Souza Batista, atualmente são muitas linhas de estudos que crescem quanto aos benefícios do convívio de cães com bebês e crianças. Muitas alterações imunológicas positivas são evidenciadas, resultado dessa interação. Ele ressalta que crianças são menos suscetíveis a doenças alérgicas, rinites e dermatites quando expostas a esse convívio.

    Outros benefícios como à melhora nas habilidades motoras e redução da ansiedade também são muito valorizadas em estudos nessa linha de convívio com os animais. A preocupação dos pais com essa relação de animais com seus bebês e criança é visível, porém havendo a possibilidade de se obter um cão, é importante levar em consideração os benefícios disso para a criança e para a família de um modo geral, tudo com uma boa orientação de um(a) Medico(a) Veterinário(a), somente esse profissional poderá indicar um controle de vermes, vacinas, ectoparasitas e cuidados gerais adequados para uma convivência segura e feliz.

    Os animais fazem um bem inestimável para todos nós, basta abrir um espacinho no coração que surgira um sentimento grande e prazeroso.

    Maternidade

    Amar é cuidar!

    Dicas e sugestões:

    franciele@jornalnoroeste.com.br

  • quinta-feira, 29 de junho de 2017 10:51

    Convulsão febril

    A febre em bebês sempre é uma grande preocupação.

    A febre alta pode causar uma convulsão febril. A minha Melissa, 10 meses, sofreu uma convulsão após chegar aos 39,7 de febre. No primeiro momento posicionei ela de lado e segurei. Durou cerca de um minuto, mas pareceu bem mais. Muito medo e susto.

    Logo após procurei o pronto atendimento onde ela foi medicada e diagnosticada com uma simples infamação na garganta.

    Esse triste acontecimento inspirou a compartilhar algumas dicas simples de como agir neste tipo de situação:

    O que fazer se a criança tiver uma convulsão febril

    Afaste a criança das fontes de perigo retirando objetos cortantes ou pesados que se encontrem por perto.

    Não pegue na criança ao contrário nem tente interromper os movimentos. Se puder, com cuidado, rode o corpo da criança de modo a ficar de lado ou cabeça para o lado para que os líquidos possam sair da boca.

    Proporcione conforto à criança. Tente colocar-lhe algo macio por debaixo da cabeça, como um casaco dobrado. Retire-lhe a roupa apertada, sobretudo em redor do pescoço. Retire-lhe também os óculos para não se partirem.
    Não tente colocar nada dentro da boca da criança, dado que poderá engasgar-se ou partir algum dente.
    O médico da criança irá perguntar quanto tempo demorou a convulsão. Se puder, olhe para um relógio e verifique quando começa e acaba a convulsão.
    Se a convulsão demorar menos de cinco minutos, leve imediatamente a criança ao consultório do médico ou a uma clínica. Se, nem um nem outro estiverem abertos, leve a criança ao serviço de urgência de um hospital. O médico precisa de confirmar se a criança não tem nenhuma doença grave.

    Se a convulsão demorar mais de cinco minutos, chame imediatamente uma ambulância. A criança poderá precisar de mais assistência do que aquela que o médico lhe poderá dar no seu consultório.

    Espero que essas dicas ajudem vocês mamães!

    Maternidade

    Quem ama cuida.

    Dúvidas e sugestões

    franciele@jornalnoroeste.com.br

     

     

    • É febre? É febre?
  • terça-feira, 27 de junho de 2017 09:31

    Puerpério

    Depois de conhecermos nossos pequenos grandes amores vem o puerpério. Algumas mulheres chamam de resguardo, o cuidado é grande para não de ter “recaídas”. Esse período dura de seis a oito semanas, mais ou menos. Nessa fase nosso corpo passa por diversas transformações físicas e psicológicas.

    Passamos por muitas coisas que quase ninguém conta para a gravidinha. As mamas aumentam por causa da produção de leite, menstruamos quase um mês inteirinho, sentimos uma sensibilidade maior em praticamente todo corpo.

    Confesso que cada gravidez é diferente da outra (totalmente diferente) e pós parto também. Na primeira gestação tive um parto normal fácil, recuperação rápida. Já na segunda gestação, o parto cesáreo me deixou debilitada, demorei quase um mês para sentir que tudo literalmente voltou para o lugar. Mas cada organismo reage de uma forma diferente. Os dois partos foram cheios de amor e carinho.

    Mas voltando ao assunto. Durante os nove meses da gestação, comparecemos a todas as consultas do pré-natal. Já depois do parto, principalmente no período do puerpério, a preocupação com nossos filhos é tão grande que, muitas vezes, deixamos de voltar ao ginecologista para não deixá-los “sozinhos”, ou até mesmo por falta de tempo. Se você também se identificou com essa situação é por que ela acontece na maioria das vezes mesmo, porém, como já é de se imaginar, isto está longe de ser o ideal.

    Uma dica legal para as mamães que tiveram parto normal é marcar uma consulta entre quatro a seis semanas depois do nascimento do bebê. Já em caso de cesárea essa data tem que ser bem antes - entre 8 a 10 dias após a alta hospitalar.

    Nesta consulta geralmente o médico costuma avaliar se o nosso corpo está se recuperando da gestação de forma saudável e se a cicatrização está livre de infecções.

    Utilize esse momento para tirar suas dúvidas em relação a alguns sinais de depressão pós-parto. Eu tive uma tristeza, um vazio. Mas consegui me recuperar. Durante esse contato, também dá pra esclarecer dúvidas, que podem acreditar, irão surgir aos montes.

    Já a segunda consulta deve acontecer só 40 dias após o parto. Esta é a hora de avaliar as mamas e também conversar sobre um método contraceptivo para evitar uma gravidez nos próximos 18 meses. Esse tempo é recomendado para a recuperação total do corpo. Mas adotar um método ou não vai da escolha de cada casal.

    Tirando essa agenda ginecológica do puerpério, a mulher deve procurar por um serviço médico de emergência em situações como sangramento em grande quantidade, febre e dor na pelve, pois elas indicam infecções. Assim como estar com as mamas cheias de leite, doloridas e avermelhadas, que é a famosa mastite. A mastite é horrível. Fui contemplada quando a Melissa tinha cinco meses. Não vai passar sozinha hein!

    DICA DA NUTRICIONISTA Mirelli Papallia: Ingerir bastante líquidos. Caso o bebê nascer no inverno sopas bem nutritivas, frutas, carboidratos do bem como batata doce, milho, mandioca, vegetais e proteínas magras. Dúvidas: https://www.facebook.com/NutricionistaMirelliPapalia/

    Cuidem-se.

    São muitos cuidados, mas valem à pena.

    Maternidade

    Amar é cuidar!

    Dicas e sugestões:

    franciele@jornalnoroeste.com.br