• quarta-feira, 6 de março de 2013 10:00

    De tudo um pouco!

    Veja que notícia interessante. O governo do Uruguai, nosso vizinho, lançou a campanha "Armas pela Vida", diante da constatação do aumento do número de homicídios naquele país. Agora, o cidadão troca aquela arma clandestina por um bicicleta ou por um microcomputador de baixo custo. A estimativa é de que existem por lá 500 mil armas ilegais, e que o programa irá substituir a violência pela saúde (no caso da bicicleta) ou pela inserção digital (no caso dos computadores).

    Solução inteligente, não é?

    ************

    Falando em violência, um foragido da justiça paulista foi preso em Santa Catarina por causa de um erro de português. Isso mesmo. O bandido portava documentos falsos e foi detido numa barreira da Polícia Rodoviária Federal. Tudo parecia certinho até que o policial observou com a atenção a Carteira de Habilitação do malandro e uma autorização para transitar com o veículo, fornecida supostamente pelo Detran. Na autorização constava a palavra "permição" em vez de "permissão".

    O policial decidiu verificar a validade do documento e encontrou o nome do ilustre motorista entre os foragidos da Justiça. Fica a lição: um erro de português pode dar cadeia...

    ************

    A Coca-Cola, como já disse alguém, é os EUA engarrafados. Um ícone do nosso mundo. A marca mais conhecida e mais vendida. Um símbolo sedutor em qualquer canto do planeta. Pois a fabricante do refrigerante bolou novos textos para suas latinhas. Primeiramente, com nomes de pessoas. Agora, com nomes de cidades, fazendo marketing e também uma homenagem.

    Fiquei pensando no assunto. Em alguns casos, a combinação da frase publicitária com o nome da cidade vira poesia pura. Por exemplo: "Quanto mais Alvorada melhor". "Quanto mais Feliz melhor". São combinações ótimas. Mas em termos ecológicos a combinação "Quanto mais Derrubadas melhor" não fica nada legal. Também não soa bem "Quanto mais Formigueiro melhor".

    Há, porém, frases que não aparecerão nas latinhas do refrigerante, por motivos óbvios. "Quanto mais Anta Gorda melhor". "Quanto mais Jaguarão melhor". "Quanto mais Muçum melhor". "Quanto mais Tapera melhor". Enfim, a homenagem publicitária terá de fazer opções e esquecer algumas cidades gaúchas...

    ************

    O santa-rosense Arnaldo Buss, que há tempos vive em Porto Alegre, inaugurou a Galeria Espaço Cultural Duque, no centro histórico da capital (Rua Duque de Caixas, 649). O empreendimento dedica-se às artes plásticas gaúchas, e, no andar térreo, mantém um café. Além de movimentar a vida cultural da capital, Arnaldo espera que o local se torne um local de encontro dos santa-rosenses que circulam por Porto Alegre.

    ************

    Na Europa, a venda de carne de cavalo, sem qualquer alerta ao consumidor, virou caso de polícia. Culturalmente, nossos rejeitamos esse alimento, mas há muitos países em que a carne de cavalo e de jumento são consumidas diariamente. O Brasil, por exemplo, exporta carne de jegue para consumo em países asiáticos.

    De qualquer maneira, de agora em diante tome cuidado ao pedir um "bife a cavalo".