segunda-feira, 18 de dezembro de 2017 08:56

Quem somos nós, os brasileiros?

Essa é uma pergunta cuja resposta buscamos há muito tempo. Muitas reflexões resultaram em milhares de páginas. Muitas cabeças pensantes já se debruçaram sobre a nossa história e nossa sociologia, buscando entender o Brasil e os brasileiros. Talvez, para a construção sólida de um país, todos os brasileiros deveriam fazer essa pergunta e pesquisar as respostas já encontradas. Há muitos e bons livros tratando do assunto.

Não é tarefa fácil num país que não lê. Como conhecer a nossa formação como povo e nação? Como chegamos até aqui? Quem somos, afinal? Que país é este que construímos? Qual o Brasil que desejamos no futuro? Não falo do futuro em 2018. Falo do futuro além de nós. Será que já pensamos nisso, ou ficaremos eternamente cuidando das migalhas diárias e da nossa mesquinhez?

***

Para entender a crise político-sociológica atual, duas sugestões de livros. Primeiramente, "A democracia impedida - o Brasil do século XXI", do professor Wanderley Guilherme dos Santos (Editora FGV). Depois, um dos livros mais vendidos deste ano, "A elite do atraso - da escravidão à Lava Jato", do sociólogo Jessé Souza (Editora Leya). Também é dele "A radiografia do golpe", uma análise dos fatos recentes.

Nestas obras, a análise do Brasil dos últimos anos, marcado por ressentimentos culturais, ódios políticos e irresponsabilidades jurídicas. Vale a pena.

***

Mas isso não basta. Para entender quem somos precisamos buscar reflexões que remontam à formação do Brasil, à própria história.

Por isso, antes de entrar em discussões sobre o que é certo ou errado, leia livros como "Os brasileiros" e "O povo brasileiro", ambos do Darcy Ribeiro. Também leia, do Gilberto Freyre, "Sobrados e mocambos" e "Casa Grande & Senzala". Do Alberto Passos Guimarães leia "Quatro séculos de latifúndio". Do mestre Sérgio Buarque de Hollanda procure "Raízes do Brasil" e "Visão do Paraíso". Também vale se aventurar na extensa "História geral da civilização brasileira", também do Sérgio, e que tem 11 volumes.

A lista deve incluir "Os sertões", de Euclides da Cunha, e "Coronelismo, enxada e voto", de Vitor Nunes Leal. Também é ótimo o "Formação do Brasil contemporâneo", de Caio Prado Júnior.

É bom acrescentar também Raimundo Faoro, com o clássico "Os donos do poder" e, do Boris Fausto, "História do Brasil". Sobre a história mais recente, indispensável é "Brasil: nunca mais", obra já clássica que reúne farta documentação sobre a ditadura.

***

Você já percebeu que a lista é pequena. Poderia ser muito maior. Mas são obras clássicas e fundamentais, lidas obrigatoriamente em universidades brasileiras e estrangeiras. Eles modificam a nossa cabeça.

Mas para quem deseja entender de onde viemos, e como nosso país chegou ao Brasil que conhecemos hoje, o nosso Brasil contemporâneo, são alguns livros que não podem ignorados.

Acho que se todos lessem esses livros (e muitos outros, é claro), o nível do debate seria outro. Mais elevado, mais qualificado. Pois (creio que concordamos nesse particular) a qualidade das discussões sobre política, história e sociologia, anda muito baixa. Pelo que tenho visto (e escutado) tem muito cego por aí querendo ser condutor de outros cegos.

Assim, não se chega a lugar nenhum.

Faça seu comentário