• quarta-feira, 21 de maio de 2014 10:41

    Você é feliz no seu trabalho?

    A equação que define a felicidade e o equilíbrio entre o trabalho e a qualidade de vida não possui receita, nem regras. O administrador Orlando Oda escreveu um artigo sobre trabalho, realização pessoal e felicidade onde argumenta sobre o verdadeiro valor do trabalho e a realização de se sentir útil.

    Achei super interessante e quero compartilhar, boa leitura!

    Você é feliz no seu trabalho?

    Por Orlando Oda

    Já vi pessoas felizes e infelizes no trabalho.

    Já vi pessoas felizes que ganham pouco e pessoas infelizes ganhando um bom salário.

    Eu mesmo já vivi momentos infelizes no trabalho ganhando bom salário.

    Era um “garotão” na época vindo de uma família de poucos recursos financeiros.

    O dinheiro significava ter acesso aos sonhos de consumo.

    Mesmo assim não me sentia feliz. Segunda-feira de manhã era muito dolorido ter que acordar e sair para o trabalho. O caminho de ônibus até a empresa parecia o corredor da morte. Por que o trabalho que me permitia ter acesso a coisas antes impossíveis não me entusiasmava, não me deixava feliz?

    Pensava: “não gosto do trabalho, do chefe, nem da empresa”. Mas eu não tinha nenhuma razão para não gostar. Ele me proporcionava independência financeira. Não tinha o que reclamar: tinha bom ambiente, pagava em dia.

    O trabalho significava dinheiro. Era a forma de ganhá-lo. Por isso, me esforçava para ser competente porque isso significava melhor salário. Assim era algo incompreensível não me sentir feliz com o que justamente me proporcionava uma boa renda.

    O atrito interior e a falta de entusiasmo, refletiram no corpo e passei a ter problemas de saúde. Somando problema físico com falta de dedicação e alegria com o trabalho, acabei perdendo o emprego. Incrível, mas a sensação que tive com a notícia foi: “que bom, ótimo”. Deveria ficar triste, chateado. Mas, foi como se livrar de um peso, uma chateação.

    Mais tarde o trabalho continuou sendo a fonte de recursos financeiros para sustentar a minha família com conforto. Assim teria sido por muito tempo, talvez por uma vida inteira, até ler o livro “A Verdade da Vida”, do Prof. Massaharu Taniguchi, e abrir os olhos da espiritualidade: “Trabalho é a ação que beneficia o próximo”.

    Conceituar corretamente, ter a visão correta da vida, ter o conceito claro do trabalho faz toda a diferença. É o autoconhecimento que faz o homem ser feliz com o trabalho, com a empresa, com o chefe, com os colegas. É de dentro de si que deve brotar a alegria, a felicidade, o entusiasmo.

    Prof. Taniguchi afirma: “O ser humano possui cinco desejos fundamentais: ser reconhecido, amado, elogiado, livre e útil. Quando esses desejos são satisfeitos, o homem encontra a razão de viver”. O trabalho é o meio para satisfazer os cinco desejos fundamentais. O trabalho é a sua identidade profissional, o seu valor pessoal.

    Para que o trabalho signifique satisfação, cada um precisa reconhecer o significado e o valor dele. Reconhecer é conhecer duas vezes. Uma coisa é aquisição do conhecimento e outra é incorporá-lo. É o que os religiosos chamam de fé. Fé é mais do que conhecer, é a aceitação incondicional.

    No livro “Maslow no Gerenciamento”, o Prof. Abraham H. Maslow afirma: “As únicas pessoas felizes que conheço são as pessoas que estão trabalhando direito em algo que consideram importante. Todos os seres humanos preferem trabalho com significado a trabalho sem significado”.

    Cada pessoa deve encontrar o seu “significado do trabalho”. Para isso é necessário ter a definição correta do trabalho dentro de si. Se a definição for apenas “dinheiro” não é uma definição correta. Não é importante o suficiente para se sentir feliz, ter o entusiasmo necessário para ser bem sucedido.

    Quando reconhecemos o verdadeiro valor e significado do trabalho, sentimos que estamos fazendo algo útil, livre do dever e necessidade de ganhar dinheiro.

    O autorreconhecimento vem naturalmente. Acaba com a preguiça ao acordar de manhã. Entusiasmo e dedicação ao trabalho vem naturalmente. O sucesso também.

    Orlando Oda é administrador de empresas, mestrado em administração financeira pela FGV e presidente do Grupo AfixCode.

  • sexta-feira, 23 de maio de 2014 09:55

    "Incrível Mundo Invisível"

    Vêm do olhar apurado do recém-chegado Alex Lemos a série de fotografias que compõem "Incrível Mundo Invisível". O fotógrafo, cidadão carioca com passagens por plagas mais distantes, há pouco fixou residência na vizinha Tuparendi e saiu a registrar, com suas câmeras, as paisagens, a fauna, a flora e os habitantes de nossa região.

    A vida no campo, a natureza, o jeito de ser das pessoas, a arquitetura... tudo que para nós parece tão comum - e não deixa de ser -, suscitou miradas minuciosas e reveladoras do "estrangeiro" Alex. O resultado - ou ao menos parte dele - está fixado nos expositores do Centro Cívico Cultural à espera do nosso olhar de descobrimento/reconhecimento/deslumbramento.

     

    O "Incrível Mundo Invisível" fica em exposição no Centro Cívico Cultural Antônio Carlos Borges até o dia 9 de junho.

    "De Volta Santa Rosa"

    Até 30 de maio, quem se aventurar pelo mundo invisível do "estrangeiro" Alex Lemos pode também aproveitar e, cruzando a Rua Buenos Aires, adentrar a Biblioteca Pública para conferir "De Volta Santa Rosa", a rediviva mostra de "instantâneos celulares" de Marco Farinon.

    De forma semelhante ao carioca Alex, o santa-rosense Farinon também nos revela detalhes insuspeitos (invisíveis?) de nosso cotidiano (casas, praças, esculturas, monumentos, etc.), gerados pelo reconhecimento e redescobrimento do torrão natal pelo filho que à casa torna. Bela coincidência.

    As exposições "Incrível Mundo Invisível" e "De Volta Santa Rosa" tem o apoio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Santa Rosa.

  • sábado, 17 de maio de 2014 14:51

    Rocambole de carne moída

    Olá amigos leitores, preparei para vocês uma dica para o final de semana, que foi retirada do site Bom Gosto.
    Rocambole de carne moída

    INGREDIENTES

    · 1/2 kg de carne moída

    · 1 pacote de sopa de cebola

    · presunto fatiado

    · queijo fatiado

    · tempero verde

    · sal a gosto

     

    MODO DE PREPARO

    Tempere a carne moida com a sopa de cebola, os temperos verdes e o sal
    Coloque a carne temperada sobre uma folha de papel laminado ou papel manteiga e abra a massa com um rolo na espessura de 1 cm mais ou menos
    Forre a carne com o presunto e o queijo, pode-se colocar também milho verde, ervilha e requeijão
    Enrole a carne com a ajuda de folha de papel laminado ou manteiga, em forma de rocambole
    Leve ao forno em temperatura alta por mais ou menos meia hora, ou no microondas por 15 minutos
    Bom apetite.

     

  • quarta-feira, 14 de maio de 2014 16:00

    Visita especial na Hemodiálise

    O Sr. Antenor Pires, esteve no Hospital Vida & Saúde, nesta terça-feira(13). Mas ele não precisava de tratamento, e nem de consulta. Ele buscou a Instituição para rever amigos. Amigos, que construiu ao longo de 2 anos e 4 meses de tratamento no setor de hemodiálise do hospital.

    Agora, transplantado, o Sr. Antenor não precisa mais de tratamento, “Agora a vida é outra, estou muito feliz. Vim aqui rever os amigos, fui muito bem tratado e o carinho e a amizade ficam”. Sr. Antenor mora em Horizontina, tem dois filhos e recebeu o rim da esposa. O transplante correu muito bem e hoje levando uma vida normal, Sr Antenor mata a saudade da equipe com muitos abraços, e aproveita para retribuir o carinho recebido durante o tratamento. Os profissionais também se emocionaram com a visita, “Ficamos muito felizes em receber ele aqui, tão bem. Esse é um diferencial do nosso setor, acabamos criando uma ligação com os pacientes e o Antenor é um amigo para todos nós”, destaca a Enfermeira Marina .

    O setor de Hemodiálise do Hospital é moderno e conta com profissionais qualificados para área. Cerca de 80 pacientes da região, são atendidos por mês no Vida & Saúde. O tratamento é realizado em 3 turnos, manhã, tarde e noite.