• quarta-feira, 21 de setembro de 2016 15:03

    Salada de pote!

    Uma ótima opção para manter uma alimentação saudável mesmo com a rotina corrida da semana.

    Para preparar essa porção um vidro mais alongado, estreito é a melhor opção. As camadas ficam mais altas e mais distantes entre si, impedindo as folhas de ficarem encharcadas com o molho.

    Também é importante lembrar que os ingredientes da camada logo acima do molho irão ficar marinando até a hora de comer a salada, então escolha bem!

    O segredo está na ordem das camadas!

    Receita base para que possa fazer com os legumes e saladas de sua preferência:

    1ª camada sempre molhados: molhos e temperos.

    2ª camada resistente ao molho: pepino, vagem, cenoura, rabanete, pimentão, grão de bico, feijão branco, lentilha.

    3ª camada secos: tomate, palmito, milho, ervilha, brócolis, couve-flor, cogumelos.

    4ª camada folhas: alface, repolho, rúcula, agrião, couve, acelga.

    5ª camada secos: sementes, grãos, queijo, bacon, croutons, massas...

    Separei duas receitas super fáceis de preparar e muito saborosa.

    1ª camada: Azeite e sal.

    2ª camada: Pepino.

    3ª camada: Tomate e cenoura (dessa vez não quis a cenoura marinando no azeite, mas isso é meu gosto).

    4ª camada: Alface americana.

    5ª camada: Semente de girassol.

    Pode ser preparada no final de semana para ser consumida na segunda e terça-feira e assim nos outros dias, prepare a noite para dois dias seguintes.

    Na hora de tirar do pote, é só agitar antes de abrir para o molho misturar!

    Você pode comê-la junto com o almoço ou como um lanche entre as refeições, naquela hora que a fome bater.

    Outra receita muito gostosa:

    Azeite ou molho de sua preferência.

    Feijão fradinho ou outra leguminosa (grão de bico, soja, lentilha, etc...)

    Ervilha cozida

    Milho cozido

    Tomate cereja ou tomate cortado em cubos

    Atum sólido ou frango desfiado

    Alface (prefira a americana ou lisa, pois duram mais)

    Gergelim ou quinoa

    Para servir, basta virar o pote, assim o molho permeará por todas as camadas da salada.

    Dica: A salada no pote dura até 2 dias na geladeira (fechada, sem virar o pote).

    O bacana é que você pode fazer vários tipos de salada, assim não vai enjoar dela!

     

  • quarta-feira, 14 de setembro de 2016 09:45

    Carreteiro Agridoce de Ovelha

    Para dar início a Semana Farroupilha, recebemos uma sugestão de receita de carreteiro agridoce de ovelha.

     

    Carreteiro Agridoce de Ovelha Fritz & Frida, desenvolvido pela chef Biba Retamozo, tem como ingrediente inusitado o mel, adicionado para deixar o prato levemente adocicado. Prático e delicioso, este carreteiro que leva carne de ovelha assada é uma boa pedida para reunir os amigos e a família durante os festejos Farroupilha.

     

    Carreteiro Agridoce de Ovelha

    Rendimento: 4 porções

     

    Ingredientes:

    1 cebola grande picada

    1 dente de alho esmagado

    400g de sobras de ovelha assada no churrasco

    1 fio de azeite

    200g de Arroz

    1 taça de vinho branco

    1 colher (sopa) de mel

    500ml de água

    Pimenta-do-reino a gosto

    Sal a gosto

    Ramos de tomilho

     

    Preparo:

    Refogue a cebola e o alho em um fio de azeite até que a cebola fique transparente.

    Adicione a ovelha, o arroz e mexa, em fogo alto, sem deixar que grude no fundo.

    Coloque, então, o vinho branco, e espere evaporar.

    Acrescente a água, baixe o fogo e cozinhe por aproximadamente 20 minutos, mexendo de vez em quando para dar cremosidade à preparação. Se necessário, adicione mais água.

    Finalize com o mel, e somente então corrija o sal e a pimenta-do-reino.

    Como a carne da ovelha é pré-assada, e o mel mascara a presença do sal, é preciso cuidado para não salgar em excesso. Sirva imediatamente, com tomilho fresco.

     

    Sobre a chef

    Retamozo comanda a Maria Bolachinha - Deliciaria Exclusiva, empresa com sede em Porto Alegre (RS) e especializada em pratos artesanais, sobretudo doces de raiz brasileiros e gaúchos.

  • sexta-feira, 2 de setembro de 2016 09:41

    Que tal uma receitinha bem caseira para o final de semana?

    Picadinho de legumes

    1 kg de alcatra cortada em cubos médios

    1 maço de ervas frescas (alecrim, salsa, orégano, tomilho e manjericão)

    1 1/2 de caldo de carne

    1/4 de xícara (chá) de azeite de oliva

    2 cebolas cortadas em pétalas

    500 gr. de batatas pré cozida

    2 cenouras sem casca, cortadas em cubos

    Pimentão amarelo e vermelo picados

    sal a gosto

    pimenta do reino a gosto (ou a pimenta de preferência)

     

    Modo de preparo

    Tempere a carne com o sal e a pimenta. Em uma assadeira, junte a carne e o maço de ervas. Regue com o azeite e o caldo. Cubra com papel-alumínio e asse no forno, preaquecido, por 1 hora ou até a carne ficar bem macia.

    Retire o papel-alumínio, misture a cebola, os pimentões, a batata e a cenoura. Cubra novamente com o papel-alumínio, volte ao forno e deixe assar até os legumes ficarem macios.

    Sirva em seguida, regado com o molho que se formou na assadeira.

    Acompanhamentos: arroz integral e saladas verdes.

  • quinta-feira, 25 de agosto de 2016 09:34

    Corte de cabelo, porque fazê-lo?

    Fui desafiado por uma grande amiga a dar uma explicação plausível para o corte de cabelo, além da que, se ouve sempre em rodas de conversas ou até em salões de beleza, “tem que cortar de 90 em 90 dias para crescer”.

    Estudos científicos revelam que quem determina o crescimento do cabelo é o bulbo, vulgo raiz do cabelo, portanto esta estrutura fica em nosso couro cabeludo dentro do folículo piloso e não nas pontas dos cabelos.

    O bulbo ou raiz do cabelo é quem determina as três fases do nosso cabelo, anágena, catágena e telógena.

    A primeira anágena é a fase de crescimento em um cabelo em condições saudáveis e sem predisposições genéticas, ela pode durar de dois a seis anos.

    Já a fase catágena, segunda fase é a fase intermediária dos fios, pode durar de uma a duas semanas.

    E a fase telógena, é mais conhecida como a queda do fio, pode durar de cinco a seis semanas, com quedas mais concentradas.

    Portanto, para o fio desenvolver-se completamente da primeira à última fase levamos um bom tempo. Por isso a explicação de uma queda mais concentrada em determinadas épocas do ano, pois vários fios encontram-se na fase de queda (telógena) e para um correto equilíbrio temos vários fios novos na fase anágena, e assim seguem o ciclo natural.

    Outro ponto a ser considerado é que o cabelo após que sai do couro cabeludo é uma estrutura “morta”, pois o fio não possui vascularização ou enervação, sendo formados por proteínas, aminoácidos, água, lipídios, etc... Daí também a explicação para não sentirmos dor ao cortarmos os mesmos, a dor só pode ser sentida no couro cabelo que tem células receptoras e que podem classificar, interpretar e conduzir as sensações.

    Assim podemos mostrar e comprovar que o corte é uma espécie de limpeza no fio, onde tiramos as pontas duplas (tricoptilose) para que sem as mesmas nosso cabelo possa crescer sem formar “nós” ou atrelar-se a outros fios, ocasionando a quebra por tração (pentear) ou por apresentar bifurcações nos fios.

    Clareando então o assunto nosso cabelo, precisa do corte não para acelerar o crescimento, mas sim para que o crescimento aconteça sem quebra de fios, aparentando assim um não crescimento, ou até mesmo, a estagnação do comprimento.

    Para garantirmos o crescimento saudável de cabelos naturais ou com químicas é bom sempre apostarmos em tratamentos de reposição de nutrientes, como o nosso famoso botox capilar, a queratinização ou a reconstrução, todos estes tratamentos devem ser realizados por excelentes profissionais, com produtos específicos e direcionados para cada tipo de cabelo ou situação que as madeixas se encontrem.

    Lembrando que você sempre deve procurar profissional capacitado, com formação e que possa lhe indicar o melhor para seu cabelo, além de indicar também uma linha de home care, produtos para você continuar os cuidados em casa.

    Beijo no coração e até mais!

    Por: Jeferson Scherer HairStyle

    Graduado em Estética e Imagem Pessoal

    Orientador do SENAC Santa Rosa

    Cabeleireiro e Maquiador junto ao Spa Vivar em Santa Rosa