HomeAgricultura sexta-feira, 5 de maio de 2017 07:31

Cotrirosa processou 85% da safra de trigo

Da safra de milho recebido pela Cotrirosa, 70% ainda estão armazenados na cooperativa.

 

A safra de trigo colhida no ano passado foi toda recebida e segregada (separação dos diferentes tipos de grãos) no espaço locado da CESA, em Cruzeiro. “Lá nós colocamos o que precisamos para a moagem de nossos moinhos”, explicou Adair Galera, superintendente da cooperativa. O restante ficou para a venda de outros moinhos ou partes interessadas. Sobraram cerca de 15% ainda armazenados.

A Cotrirosa, assim como a Coopermil e dezenas de outras cooperativas do país convivem com problemas da falta de armazenagem, em função das altas produtividades que se repetem ano a ano.

O problema se agravou com a super colheita de soja, porque o milho está saindo aos poucos em função dos preços baixos pagos pelo mercado. Com a soja, ocorre a mesma situação. Em determinado momento, a cotação do grão não paga nem os custos de produção. “O que fizemos foi diferenciar os associados que mantém uma relação de fidelidade com a cooperativa”, contou Galera. Da safra de milho, cerca de 70% ainda estão depositados nos armazéns.

Uma alternativa, mesmo que pequena diante dos grandes volumes de soja, foi o envio de 300 mil sacas das mais de 3 milhões recebidas para os dois terminais do porto de Rio Grande, dos quais a Cotrirosa é uma das associadas.

“Estamos fazendo verdadeira ginástica para enfrentar as dificuldades de armaze-namento”, admitiu Adair Galera.

Faça seu comentário