HomeEconomia sexta-feira, 28 de abril de 2017 16:32

Prefeitura fecha trimestre com R$ 5 milhões em caixa

Prefeito Alcides Vicini analisou o período que se mostrou positivo.

O comportamento entre receitas e despesas do primeiro trimestre de 2017 foi analisado pelo prefeito Alcides Vicini e o contador Ademir Spies, vinculado à Secretaria de Gestão e Fazenda. O prefeito fechou o ano passado apreensivo com a queda de arrecadação e começou o atual exercício com o mesmo sentimento. Chegou, inclusive, por falta de projeções mais próximas à realidade, transferir de janeiro para março a discussão do dis-sídio com a classe do funcionalismo.

“Nestes primeiros três meses praticamente tivemos a mesma receita, se comparado com o mesmo período do ano passado, sem registrarmos um ganho real. Ou seja, o que aumentou neste trimestre, cerca de 6%, é até um pouco menos do que arrecadamos no ano passado”, começou explanando. Não houve incremento de receita, mas também não se registrou queda de arrecadação, que era o grande medo do governo.

Vicini mantém sua atitude de cautela, afirmando que mantém o procedimento de austeridade nas despesas que podem ser cortadas, para que não faltem recursos em setores onde eles são indispensáveis. Vicini, mesmo atuando num corredor financeiramente estreito, não abre mão de depositar todos os meses 1/12 avos destinados ao pagamento em dia do 13º salário dos servidores.

Repasses do Governo Federal de fundo a fundo não tiveram reajuste e nem a recuperação inflacionária. “Hoje nós não temos condições de auxiliar com dinheiro próprio do município, especialmente às entidades assistenciais”, acrescentou o prefeito.

Para simplificar o entendimento popular, Ademir Spies informou que nos três primeiros meses deste ano a Prefeitura teve uma receita bruta de R$ 45 milhões (vale a ressalva do aporte do IPVA). E no mesmo período a soma das despesas alcançou a casa dos R$ 40 milhões. Isso significa que o período foi superavitário em torno de R$ 5 milhões. Ademir explicou ser normal o registro de superávit no trimestre inicial do ano, lembrando que também é normal nos meses de julho, agosto e setembro as despesas serem maiores do que a receita.

O retorno do ICMS e a fatia do FPM - Fundo de Participação dos Municípios constituem-se, pela ordem, nas duas maiores receitas do município. Ademir informou que o FPM registrou um aumento de cerca de 9% com relação a 2016, só que descontando-se os 6% da inflação do período. No ICMS houve aumento nominal de 3%, o que significa uma queda de dos mesmos 3% se confrontada também com a inflação do ano passado. É o reflexo da crise que atinge o país.

Faça seu comentário