HomeEducação & Cultura terça-feira, 14 de março de 2017 09:59

Trabalho sobre educação e musicalidade será apresentado na Itália

Professoras Priscila Lorenz e Nídia Engel propõem intervenção com finalidades terapêuticas e pedagógicas, utilizando elementos da educação musical para alfabetização, letramento e comunicação

O trabalho "Atendimento domiciliar e inclusão: uma proposta de alfabetização por meio da educação musical”, será apresentado em junho na Università Delle Tre Età, em Milão, na Itália, durante o VI Congreso Internacional de Educación y Aprendizaje. O estudo é uma parceria da docente do curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da SETREM Priscila Gadêa Lorenz, e da professora de música educacional Nídia Engel.

Priscila e Nídia são professoras do município de Santa Rosa e têm uma proposta de intervenção com finalidades terapêuticas e pedagógicas, utilizando elementos da educação musical como meio para alfabetização, letramento e comunicação alternativa. Neste sentido, a proposta busca a intervenção organizada a partir do atendimento domiciliar a um menino, faz uso de elementos musicais como possibilidade de comunicação alternativa, unificada ao processo de alfabetização e letramento.

O estudo objetiva a investigação e desenvolvimento de práticas inclusivas por meio do atendimento domiciliar que possibilitem a alfabetização através da música, universo e paisagens sonoras como possibilidade de inclusão e/ou comunicação alternativa, para alunos com Atrofia Muscular Espinhal (AME). A doença é caracterizada por fraqueza muscular grave, progressiva e hipotonia resultante da degeneração e perda dos neurónios motores inferiores da medula espinhal e do núcleo do tronco cerebral.

Priscila observa que a inclusão escolar de alunos com Necessidades Especiais é assunto que está presente nas discussões do contexto educacional atual e, diante das últimas mudanças dos sistemas educativos, é relevante que se compreenda de que forma se dá esse processo. A intervenção do Atendimento Educacional Especializado de forma domiciliar, é oferecida pela Educação Especial como modalidade de ensino, e legitimado conforme a atual Política de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (SEESP/MEC, 2008). "Neste sentido, iniciou-se a elaboração de uma proposta intervenção e atendimento domiciliar que unifica o ensino da música, inicialmente através da paisagem sonora, alfabetização e letramento”, explica. Ela destaca que por vezes é necessário criar mecanismos que possibilitem o aluno ter acesso ao conhecimento de forma abrangente e menos restritiva, ao mesmo tempo desenvolver a sutileza de transpor conceitos, perceber variáveis provindas da singularidade do ato de ensinar e aprender.

Faça seu comentário