HomeGeral terça-feira, 2 de janeiro de 2018 08:34

Gestão que resulta em mais oferta de serviços

Números apresentados nesta semana mostram que a Fundação conseguiu aumentar em 2017 cerca de 7,5% dos atendimentos.

Há um ano à frente da gestão, o presidente da Fundação Municipal da Saúde, Anderson Mantei, juntamente com sua equipe, implanta importantes mudanças e reestrutura a forma de fazer saúde pública. Números apresentados nesta semana mostram que a Fundação conseguiu aumentar em 2017 cerca de 7,5% dos atendimentos. Comparado com o ano passado foram 692 mil atendimentos contra os mais de 748 mil realizados até novembro deste ano.

“O que foi economizado em diversos processos foi aplicado em forma de serviço de distribuição gratuita e isso contabiliza cerca de R$ 625 mil, a mais, comparado com o ano de 2016”, afirmou Anderson. Esse número deverá ser ainda maior após serem contabilizados os atendimentos do mês de dezembro.

Segundo o diretor de Gestão Estratégica da Fundação, Ademir Rosa, o saldo positivo se justifica por uma série de atividades, treinamentos e projetos, otimização e disponibilidade de profissionais, e principalmente com o corte de gastos irracionais.

Outro fator positivo é de que a Fundação está cumprindo um Termo de Ajuste de Conduta -TAC com o Ministério Público, e ele está sendo cumprido, por garantir o acesso. “Fechamos o mês de novembro com 94,8% da lista de medicamentos de responsabilidade do município. No ano passado a Fundação atingiu apenas 54%”, reiterou Anderson.

Ademir cita que a Central de medicamentos também recebeu melhorias. “Com intuito de reduzir retrabalhos, optamos pelo uso racional, entregamos o medicamento para 30 dias, e acompanhamos de forma mais próxima os pacientes. Em torno de 30% dos medicamentos solicitados voltavam dos postos de saúde para o centro de distribuição, pois as pessoas não buscavam. Otimizamos assim a mão de obra de três pessoas”, explicou Ademir.

Mas o saldo positivo é resultado de uma série de cortes. A Fundação diminuiu as diárias gastas de todos os servidores, desde o presidente, até os motoristas. Na gestão passada foram gastos R$31.214,00 com diárias, em 2017 os valores caíram para R$19.271. Outra redução foi com a despesa em telefonia. De R$3.165 no ano anterior a conta caiu para R$ 2.816 em 2017.

Mesmo com os vários aumentos na energia elétrica, a Fundação ainda reduziu seus gastos em 8%. A conta de luz que chegou a R$27.658/mês em 2016 é agora de R$ 25.445. No geral os custos da Fundação em 2017 tiveram aumento de 3,5%. O servidor teve 6,48% de aumento salarial, e mesmo assim a Fundação fechou o ano com gastos abaixo da média em relação a gestão passada. Em 2016 foram gastos R$ 27, 1 milhões e, em janeiro, serão divulgados os índices de 2017.

Anderson Mantei apresentou números positivos.
Faça seu comentário