HomeNOROESTE ENTREVISTA segunda-feira, 22 de maio de 2017 11:51

Planejamento doméstico no caminho inverso da crise

Confira a entrevista com o doutor em contabilidade financeira, Jair Antônio Fagundes, que destina seu tempo viajando para os mais diferentes estados do Brasil palestrando e ministrando aulas, inclusive em nível Internacional.

A economia doméstica surgiu como consequência da Revolução Industrial onde a sociedade começava a se organizar para obter um aumento em qualidade de vida.

Nunca se viu tantas famílias procurando pelo assunto como se pode observar hoje. Até então a sociedade estava sendo estimulada ao consumo desenfreado, porém, cada vez mais se fala em práticas sustentáveis ou formas de aprender a como economizar. Então, hoje as pessoas se preocupam em como economizar no supermercado, como economizar energia elétrica e as mais diversas dicas de economia e o profissional especializado em gestão financeira doméstica atende a estas demandas.

Para auxiliar um pouco neste contexto o Jornal Noroeste conversa nesta semana com o doutor em contabilidade financeira, Jair Antônio Fagundes, que destina seu tempo viajando para os mais diferentes estados do Brasil palestrando e ministrando aulas, inclusive em nível Internacional. É Pós Doutorando em Administração, Doutor europeu em Contabilidade para Gestão, Mestre em Contabilidade para Gestão, Pós-graduado em Administração, Contador, Perito Judicial e extrajudicial, Auditor Contábil e de Gestão, Consultor e Assessor Empresarial, Consultor e Assessor em Finanças Pessoais, Conferencista Internacional, Professor, Empresário e autor de diversos livros e estudos científicos.

NOROESTE - Para iniciar a conversa, fale-nos um pouco sobre a crise financeira do país. Ela realmente existe?

JAIR - Ela existe, sempre existiu e sempre existirá. Mas é permanente para aqueles que acreditam na crise, para quem fica refém da crise e para quem não tem planejamento financeiro da família. A família em seus integrantes são quem decidem se a crise permanece ou não, isso é questão de planejamento, organização dos objetivos e metas.

NOROESTE - A crise faz com que as pessoas sintam-se inseguras para gastar?

JAIR - Sim, nota-se um medo, ou melhor, um direcionamento de gastos, onde a maioria está alavancando prioridades, e lá investindo seu dinheiro. Alguns setores acabam sofrendo, já outros se sobressaem. Curiosamente, nota-se que as questões sociais continuam ativas, como por exemplo lotação total nos últimos eventos/show. Quem participou fez uma escolha.

NOROESTE - Qual o primeiro passo para construir um planejamento econômico familiar?

JAIR - O início se dá fazendo política em casa, conceder para receber. Os membros da família precisam identificar a situação real, e em cima disso determinar prioridades, e os gastos necessários. Traçar objetivos e metas de curto, médio e longo prazo, e um indicador para ver se elas estão sendo atingidas.

NOROESTE - O planejamento necessita de renda mínima?

JAIR - O planejamento deve ser feito por qualquer família, indiferente da classe social, de um a mil salários mínimos. Por que tem um ditado que diz “quando a falta de dinheiro entra pela porta o amor foge pela janela, e quando a sobra permanece, também pode gerar discussão.

NOROESTE - Todos integrantes devem participar?

JAIR - Sim, todos os membros devem participar, sempre respeitando a hierarquia familiar, iniciando com os pais, filhos maiores e chamando em seguida os filhos mais novos. A ideia é chamar as crianças para discutir junto a partir do segundo encontro, quando serão apresentados os objetivos e metas definidas e para que eles possam desfrutar de uma mesada, a qual deverão administrar.

NOROESTE - A mesada é importante?

JAIR - É o primeiro passo para uma educação financeira. A criança quando recebe a mesada, indiferente do valor, passa a estipular objetivos e metas para os gastos e criando uma consciência financeira que irá refletir no futuro adulto, profissional financeiro. Isso cria limites.

NOROESTE - A partir de quando as crianças devem participar do planejamento familiar?

JAIR - Desde o momento que elas consigam ler e interpretar um texto, fazer cálculos, quanto antes melhor. A participação de crianças é essencial e isso colherá frutos futuros.

NOROESTE - É importante que a família apresente seus gastos?

JAIR - Abrir as finanças, conversar abertamente em família ainda é um tabu. Tem maridos que não sabem como está à vida financeira de suas esposas e vice-versa. Seria ideal, mas deparamos na barreira do nível intelectual. Isso é mais difícil para quem tem a renda baixa, mas seria ideal. Existe estes problemas e são sérios.

NOROESTE - O planejamento se aplica para quem mora sozinho?

JAIR - Tenho certeza absoluta disso. Ele deve aplicar indiferente do número de integrantes. Cada casa é uma família e é seu planejamento que indica onde podem ser gastos e como isso reflete na saúde financeira de cada um.

NOROESTE - Qual a sugestão de percentuais de rendimentos que possam ser gastos?

JAIR - Não existe um padrão, mas a sugestão é de que se gaste no máximo 70% dos rendimentos com comprometimento fixos, distribuindo alimentação, transporte, roupa, água, luz e despesas fixas. Já 10% se coloque em investimentos financeiros, em instituições financeiras. Os restante dos 20% se a família tiver dívidas acumuladas o valor pode ser investido nisso. Neste caso o ideal é negociar com este valor.

NOROESTE - Qual o melhor investimento para ser feito com a sobra do mês?

JAIR - Os mais indicados investimentos podem ser aplicados no tesouro direto, na sequência em CDI - Certificado de Depósito Interbancário ou CDB - Certificado de depósito bancário. Mas a poupança continua sendo uma boa opção, embora o juro não renda tanto, pelo menos você não estará perdendo o dinheiro. Empreender (ser dono do próprio negócio) também pode ser um bom investimento (desde que bem planejado).

NOROESTE - Quando é o melhor momento para mexer nos investimentos para adquirir algo?

JAIR - Bom, aí se deve avaliar muito. Um exemplo é retirar o dinheiro de investimento bancário para adquirir a casa própria e sair do aluguel. O investidor deve avaliar os benefícios. Outro exemplo é retirar o dinheiro para comprar um carro, o que não é aconselhável. Além de você deixar de ter os rendimentos deste investimento, o carro te gerará mais custos e se você buscar um financiamento bem negociado você pode adquirir um veículo sem precisar retirar suas aplicações e sem pagar juros. Aja sempre de forma racional e planejada.

NOROESTE - Hoje é o momento para se fazer empréstimo?

JAIR - Olha, depende do que você irá fazer com o dinheiro. Pedir dinheiro emprestado para pagar dívidas não é aconselhado (a não ser que a nova dívida tenha taxa menor de juros). Neste caso, por exemplo, o ideal é você buscar a negociação das mesmas. Já no caso do empréstimo talvez para adquirir a casa própria, o valor mensal da prestação vai se equiparar ao valor do aluguel, com a diferença que no final você será o dono do imóvel.

NOROESTE - Para quem está endividado, qual a melhor saída?

JAIR - Planejar o futuro é fundamental. Urgentemente você deve identificar os gastos essenciais e cortar os que não são. É impossível citar eles, pois cada família tem suas prioridades, mas elas devem debater isso e se realmente tudo que elas consomem é importante. A mudança de marca de um produto pode ser uma alternativa, optando por um mais barato.

NOROESTE - A pesquisa de preços é fundamental?

JAIR - Ela é essencial, pois você pode criar uma agenda com promoções de mercados e economizar muito. Cada mercado tem o dia da promoção da carne, das frutas, enfim, e você pode aproveitar disso.

NOROESTE - Comprar uma vez tudo o essencial ou comprar aos pouco?

JAIR - Aí depende muito. Se o mercado escolhido, o qual tem os preços mais baixos estão no caminho da sua casa, a opção melhor é optar pelas promoções diárias, mas para isso é preciso evitar os supérfulos do dia a dia. Já se você não tem acesso ao mercado diário ou semanal, o ideal seria escolher um supermercado onde os preços estão mais em conta e comprar tudo de uma vez só.

NOROESTE - Comer em casa ou em restaurantes?

JAIR - A certeza é única, comer em casa ainda é o melhor negócio (considerando que você tenha tempo para preparar a alimentação). Os preços dos restaurantes não compensam e em casa você irá cozinhar para toda a família e o valor reduz muito, gerando uma economia considerável.

NOROESTE - As pessoas têm facilidade para aprovação de crédito. Diariamente são ofertados cartões como uma oportunidade de gastar de forma parcelada. O cartão é uma boa opção?

JAIR - O cartão de crédito é ótimo e perfeito para quem é organizado. Com ele você consegue pagar suas compras de forma parcelada e com prazos interessantes, e ainda conseguem milhas que cobrem valores da anuidade, sobrando até mesmo para as férias da família. Já para os que gastam de forma emotiva e descontrolada e não conseguem pagar a fatura, tendo assim que parcelar a mesma, a melhor dica é não ter. Se acontecer de estourar e ter de parcelar a dica é cancelar o mesmo na hora, buscar um empréstimo com juros mais baixos e sanar a conta de uma vez, pois o juro do cartão de crédito é altíssimo.

NOROESTE - Como trabalhar com o cheque especial?

JAIR - Ele nunca deve ser utilizado, salvo em algum problema sério. É a maior taxa de juros, por isso utilize numa extrema necessidade de saúde. É uma forma racional e inclusive é interessante você abrir mão dele no banco, isso contribui para sua saúde financeira.

NOROESTE - Conta em mais de um banco é recomendável?

JAIR - Como é essencial, ter uma conta, mas mais que uma não é recomendável. O ideal seria ter conta em instituições financerias onde as taxas são menores e ainda você terá um rendimento anual na participação das sobras ou lucros.

NOROESTE - O que exige este período econômico do Brasil?

JAIR - É o momento de guardar dinheiro, reinvestindo. Para quem possui dívida é a hora de renegociar (exigir taxas de juros mais em conta) e gastar com racionalidade, de acordo com o que foi planejado. Investir em cursos de extensão, ampliação de conhecimentos, sendo este o investimento que melhor retorno a médio e longo prazo que você esteja fazendo. A busca do conhecimento deve ser foco no momento. Buscar o domínio de mais de uma profissão, estando preparado para uma porta a mais do mercado.

NOROESTE - Existe uma relação de causa e efeito: quanto mais qualificado você for, mais eficiente e eficaz você será, gerando satisfação naqueles que dependem de teus serviços e por consequência terá reflexo (aumento) nas tuas finanças, inclusive diminui o efeito das crises econômicas/financeiras.

JAIR - Planejar, executar e controlar, e tudo começa com um planejamento. Precisamos evitar a falha, que acontece sempre na execução e no controle. Não é fácil fazer pela primeira vez, mas os resultados positivos ampliam a união do grupo familiar e conquistas importantes serão realidade com isso. Planejar a sua vida pessoal e profissional também é um exercício de sabedoria.

Faça seu comentário