HomePolícia sexta-feira, 10 de março de 2017 16:37

Diminui violência contra a mulher em Santa Rosa

Em 2016 o órgão policial efetuou o registro de 1.504 ocorrências, das quais 748 geraram algum tipo de procedimento policial (inquérito policial, termo circunstanciado ou procedimento de apuração de ato infracional).

A Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (DEAM) de Santa Rosa foi criada por intermédio do Decreto 47.917/2011 do Poder Executivo Estadual e teve sua inauguração no dia 17 de junho de 2011. Ao todo, o estado conta com 41 delegacias dessa natureza.
A DEAM tem como atribuição a investigação de todas as infrações penais previstas na legislação criminal que sejam praticadas contra a mulher no contexto dos artigos 5º e 7º da Lei Federal 11.340/2006 (Lei Maria da Penha), ou em razão de menosprezo ou discriminação à condição da mulher.
O atendimento é realizado por policiais especializados, das 8h30min às 12h e das 13h30min às 18h. Fora desses horários, os registros são efetua-dos pela Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento, que funciona 24h.
Conforme o Delegado de Polícia, Tiago Tescke (foto), responsável pela Delegacia, os crimes de maior incidência são os relacionados à violência física (lesão corporal) e à violência psicológica (ameaça, injúria...). “Apesar de representarem uma parcela menor, os crimes contra a dignidade sexual (estupro, estupro de vulnerável, assédio sexual, favorecimento da prostituição, entre outros) merecem referência”, cita.
Segundo o Delegado, em 2016 o órgão policial efetuou o registro de 1.504 ocorrências, das quais 748 geraram algum tipo de procedimento policial (inquérito policial, termo circunstanciado ou procedimento de apuração de ato infracional). São números inferiores aos registrados nos anos anteriores, o que denota que a violência doméstica e familiar praticada contra a mulher está em declínio em no município, graças à atuação eficaz dos órgãos de repressão. “Santa Rosa conta com uma rede estrutu-rada e efetiva de enfrentamento à violência, constituída por órgãos estatais e instituições não governamentais. A atuação sinérgica dessas instituições não se restringe ao combate e repressão à violência, há também ações direcionadas às áreas de assistência social e psicológica”, lembra Tiago Tescke.
O Delegado também lembra que qualquer cidadão pode noticiar situações de violência contra a mulher, mesmo que de forma anônima, ligando diretamente para a Polícia Civil (197) ou, se preferir, por meio do disque 180 (Central de Atendimento à Mulher).

 

Faça seu comentário