HomeSaúde segunda-feira, 29 de janeiro de 2018 09:06

GESTÃO COMPARTILHADA

VIDA & SAÚDE REJEITOU PROPOSTA

Depois de cinco meses e oito dias finalmente foi conhecido o desfecho da proposta, formalizada em 09 de agosto pelo Hospital Dom Bosco ao Hospital Vida & Saúde, de uma gestão compartilhada ou de incorporação. O Dom Bosco justificava na época que para continuar funcionando dependia de uma parceria.

De lá para cá, duas auditorias das contas do Dom Bosco foram realizadas, uma pelo contador independente Luiz Klein e outra, a mais recente, pelo Escritório Guaporé. Segundo Milton Dummel, presidente da Abosco, mantenedora do hospital, ambas apresentaram praticamente os mesmos números, uma dívida girando em torno de R$ 18 milhões. Porém, fez alusões que em vários aspectos a dívida pode ser reduzida ou renegociada, além de outras que constam no relatório final das auditorias, mas já foram renegociadas. É o caso, por exemplo, de uma pendência com a RGE de pouco mais de R$ 2 milhões, “que hoje virou uma parcela mensal de R$ 9 mil”. E mais: cerca de R$ 7 milhões constam na auditoria, mas é dívida que, segundo Milton, não existe por se tratar de recursos da filantropia conquistada pelo hospital na justiça e ainda não aceita pelo órgão competente do governo.

O Hospital Vida & Saúde apresentou sua posição oficial no final da tarde de terça-feira, 23, durante encontro realizado no seu auditório. Participaram todos os integrantes do Conselho de Administração, o presidente Elton Walker, o prefeito Alcides Vicini, o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Anderson Mantei, o médico Milton Dummel, presidente da Abosco e Juscelino Gonçalves, líder de uma Comissão de Apoio do Hospital Dom Bosco. Na ocasião, os dirigentes do Vida & Saúde rejeitaram em caráter formal a proposta de gestão compartilhada.

Em nota distribuída à imprensa na terça-feira, 23, assinada pelo presidente Elton Walker, o Vida & Saúde justificou para a comunidade sua posição. Basicamente foi citada a concentração de esforços da direção na construção da nova unidade “obra que deve, nos próximos meses, entrar em operação com os dois primeiros pavimentos”. Também cita que o planejamento de longo prazo não permitiria que o hospital assumisse duas frentes de tamanho grau de importância (a gestão compartilhada e a conclusão da nova unidade). A obra permitirá a oferta de novos serviços à população. “De acordo com o exposto e análise dos dados, para não colocar em risco os projetos de crescimento e responsabilidade assumida com a comunidade, o Vida & Saúde não assumirá a gestão do Hospital Dom Bosco. Agradecemos a confiança atribuída para esta instituição”, concluiu a nota.

Osmar Terra estará em São José do Inhacorá na tarde desta sexta-feira, onde participa da inauguração de uma indústria de componentes para a área agrícola (prédio é de 12 mil m²). Passará por Santa Rosa, onde poderá ampliar conversas a respeito do Hospital Dom Bosco.

 

Faça seu comentário