sexta-feira, 6 de março de 2015 16:41

Mulher do século XXI

Acredito que, atualmente, não existe a mulher de um século específico, assim como não acredito em papel específico de mulher na sociedade. Ser mulher é bem mais que isso. Existe, sim, uma mulher atual, que é fruto de experiências construídas ao longo de séculos de civilização, que foi se modificando conforme as necessidades que foram surgindo através dos anos e das fases de vida em que cada uma se encontrava.
Buscou-se, por anos, a liberdade no pensar e no agir. Exigimos, e assim adquirimos, o respeito e o reconhecimento por nossos êxitos. Conquistamos a propriedade do nosso corpo, decidimos ser mães - ou não. Mas nos tornamos seres completos? Era só isso o que queríamos? Ou por mais que lutemos contra, ainda nos sentimos culpadas por não seguirmos o padrão instituído por nossos ancestrais?
Percebo que o dilema ou a palavra que ronda ou permeia as conversas entre as mulheres hoje é: permitir-se, ou melhor, dizendo, autorizar-se! Posso? Sim! Estou autorizada a ser feliz, ser amante, ser mãe, ser profissional, ser amiga, ser esposa, ser eu, ser o que desejar ser, sem culpa. Posso estar em casa num dia de semana qualquer, em horário comercial. Posso ter um dia de beleza, posso errar, posso experimentar, posso desejar, posso começar de novo, posso chorar e estou autorizada a, simplesmente, sonhar.
Respondo que só seremos completas se compreendermos que na vida não existem regras pré-estabelecidas e que, por isso, devemos ter sabedoria para explorar todas as variações possíveis, aproveitando cada momento da maneira que decidirmos ser a certa. Ser feliz antes de qualquer coisa é permitir-se.
Jacqueline Dutra - Advogada Criminalista.

Comentários
Faça seu comentário