Blog Gilberto Kieling
Blog Gilberto Kieling
Gilberto Kieling



Blog

Carnaval e parasitas

Publicado em 14/02/2020 10h29 - Atualizado há 5 meses - de leitura

Tens visto o mapa do Brasil na TV? Aquele da previsão do tempo? O que vem ocorrendo é que toda a umidade da Amazônia está desviando para o sudeste. Daí o incrível volume de chuvas por lá. Em situação normal, a umidade amazônica se desloca e faz chover no Mato Grosso, Paraná, Paraguai, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. É a Amazônia que regula as nossas chuvas.

Quando lembramos disso, vem uma grande preocupação. Com o ritmo acelerado de desmatamento da Amazônia (só em janeiro aumentou 50% em relação ao janeiro anterior), e com essa conversa de que devemos transformar aquela região em pasto e plantação de cana-de-açúcar, temos mesmo que ficar preocupados.

Se a Amazônia acabar, a nossa região se tornará deserto. Aliás, boa parte do Brasil...
**
Estamos em fevereiro, o mês do Carnaval. Momento de alegria, de catarse, de esquecer as convenções sociais. E também de celebrar a vida.

Infelizmente, mais uma vez a cidade não terá Carnaval. Pelomenos aquele oficial, porque a Etnia Afro programou uma noite de Carnaval na sua casa, lá no Parque de Exposições.

A festa será no dia 22 (sábado), e reunirá o pessoal que adora o samba e também os alemães de “cadeira dura”, justamente porque no Carnaval o que menos importa são seus dotes de dançarino. Quando se fala em “cair no samba” significa simplesmente se
deixar levar. Nada mais do que isso.

Ingressos à venda no Edifício Schadeck, na Avenida América, 73, sala 01.
**
A palavra que marcou a semana que passou foi “parasita”. O filme coreano vencedor do Oscar, “Parasita”, é muito bom, cheio de simbologias. Não perca.

Na mesma semana o ministro da Economia, Paulo Guedes, chamou o funcionalismo público brasileiro de “parasita”. Como a coisa anda feia, ele precisa botar a culpa em alguém.

No Brasil, temos 3,12 milhões de servidores públicos, o que dá 1,6% da população. Isso é muito ou é pouco? Saiba que, comparativamente, ao contrário do que andam dizendo por aí, é muito pouco. No Japão, 5,9% da população são servidores públicos. Na Alemanha, 10,6%. Na Itália, 13,6%. Nos Estados Unidos são 15,3%. No Canadá, 18,2%. Na França, 21,4%. Na verdade, o Brasil está muito abaixo da média da OCDE - Organização Mundial
para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, que divulga estas informações.

É claro que podemos (e devemos) discutir os supersalários, benesses, privilégios, e outras mazelas e distorções do serviço público, mas dizer que o funcionalismo é o culpado pela incompetência do governante é tentar desviar o foco das atenções. O grande risco é que, com essas conversas de ódio contra o funcionalismo, o serviço público se torne fraco, incapaz de atender corretamente. Quem pagará por isso será a população brasileira, ou seja, cada um de nós.
**
Dos filmes mais comentados do Oscar, além do brasileiro “Democracia em Vertigem” (aquele do golpe de 2016), sugiro também “Indústria americana”, “Jojo Rabbit” e o próprio vencedor, “Parasita”.

Uma boa safra de filmes que já começa a desfilar no cinema de Santa Rosa, como o “1917”, que está em cartaz e que também merece ser visto.

Últimas do Blog

VER MAIS NOTÍCIAS



Top Vídeos

:: assista aos destaques

Grave Acidente deixa vítima fatal na Avenida America em Santa Rosa

Grave acidente deixa uma vítima fatal. De acordo com informações da Brigada Militar, dois homens estavam em fuga, após praticar um assalto. Acidente ocorreu na Avenida America, sentido centro para o bairro cruzeiro. Um homem foi a óbito no local.

há 21 horas


FUMSSAR receberá R$ 12,6 milhões no combate ao Covid-19

ontem


Mais Tecnologia nas escolas do município

ontem