Blog Taci Vargas
Blog Taci Vargas
Taci Vargas



Geral

Hoje é sobre racismo e todo o preconceito com uma cor.

Publicado em 27/11/2020 16h38 - Atualizado há 2 meses - de leitura
Taci Vargas

Hoje é sobre racismo e todo o preconceito com uma cor.
Como diz um amigo, raça é uma só: HUMANA; etnias e descendências, várias. Tomando isso como base, é difícil para mim compreender como criaturas, seres da mesma espécie, conseguem promover diferenciações entre pessoas tão somente pela cor da pele. É isso mesmo?
Não estou, aqui, saindo em defesa de um caso específico, mas falando acerca de respeito, independentemente de cor, etnia, gênero ou orientação sexual... Refiro-me à tão propagada - até mesmo por aqueles que se dizem cristãos e tementes a Deus – EMPATIA, cuja prática é, infelizmente, tão negligenciada, porque quando “não é comigo ou com um familiar” está tudo bem, porém quando se trata de “alguém dos meus”, aí está tudo errado, aí o negócio é diferente.
Desses ditos empáticos ou cristãos, ouço brincadeiras e acusações menosprezando a luta daqueles que sofrem estruturalmente com o racismo. É vergonhoso, sinto vergonha alheia mesmo, até porque o conforto do privilégio nunca permitiu vivenciarem, presenciarem, sentirem literalmente na pele a opressão do racismo.
É um sentimento constrangedor e de impotência.
Estive um final de tarde desses em um supermercado em Santa Rosa. No exato momento em que entrei no estabelecimento, havia acontecido um furto, ou tentativa, pois o indivíduo foi pego com um produto. Diante da situação, os seguranças imobilizaram o indivíduo e não deram nenhum soco, não espancaram a pessoa, mesmo ela tendo reagido e tentado agredi-los. Fizeram o que lhes cabia naquele momento, chamando a Brigada Militar. Pronto. Sem espancamento, sem constrangimento, sem mortes, sem desumanidade, sem covardia.
Portanto, matar uma pessoa de forma covarde, desumana e sem razão, no meu ponto de vista, não tem justificativa. Mas não tem mesmo. Sequer os antecedentes criminais justificam tal prática, mesmo porque se isso fosse motivo para tanta covardia viveríamos mais na barbárie do que já vivemos. Ou será que os antecedentes criminais são apenas uma justificativa fajuta para obscurecer uma prática racista? Será que um branco, na mesma situação, sairia de um supermercado sem vida?
Não sou a favor a nenhum tipo de violência, nenhum mesmo. Nem contra brancos e nem contra negros, de igual forma.
Ouço muitos falarem que os negros é que são racistas ou que não há racismo. Porém, lamento a desinformação e a ignorância, parece que algumas pessoas são totalmente alienadas do mundo em que vivem. Antes de falar com absoluta falta de propriedade, procure saber o que move quem luta e quem sofre racismo. Procure sentar com um negro de idade mínima de 40 anos e peça para te contar a sua história, as dificuldades que enfrentou. Saiba mais sobre a real desigualdade.
Eu sou negra, descendente de negros, embora eu desconheça a real origem, porque nunca me preocupei em provar linhagem pra ninguém. Contudo, conheço muito bem as raízes do racismo e a forma como ele até hoje se manifesta.
Já tive vergonha do que hoje me orgulha, meus cabelos enrolados, herança do meu pai, que tinha cabelo pixaco ou cabelo ruim, como muitos diziam, mas que na verdade evidenciam uma luta diária.
Eu sou negra e sim, levo por ofensa quando tentam amenizar e dizer: não, tu és morena. Não neguem minhas origens, por favor.
Respeitem minhas descendências.
Muito cuidado, amanhã pode ser um dos seus.
Somos um país miscigenado.

Por Taciara Vargas

Últimas do Blog

VER MAIS NOTÍCIAS



Top Vídeos

:: assista aos destaques

"Trevos Assassinos"

Entrevista com André Stürmer, sobre os "trevos assassinos" da nossa região.

há 2 dias


Janeiro Branco

há 3 dias


Colheitadeira é removida, após quase cair de ponte em Três de Maio

há 5 dias