Polícia

Entenda como aconteceu à maior apreensão de drogas da história do porto de Rio Grande

Pouco mais de uma tonelada de cocaína avaliada em R$ 202 milhões foram localizadas em um contêiner no terminal gaúcho

Publicado em 12/06/2021 12h42 - Atualizado há um mês - de leitura
Carga com mais de 1,1 tonelada de cocaína foi encontrada no Porto de Rio Grande / Foto: PF/Divulgação

Não havia suspeita ou qualquer denúncia sobre a carga ilegal descoberta em um contêiner que iria para a Bélgica.

A apreensão de mais de uma tonelada de cocaína no porto de Rio Grande na tarde de quinta-feira (10) foi possível graças a um procedimento de fiscalização padrão da Receita Federal no principal terminal marítimo do Estado

O flagrante impediu o embarque de 1.113 quilos de cocaína avaliados em R$ 202 milhões, a maior apreensão de drogas da história do porto.

Ao ingressar no terminal, o contêiner passou por uma análise de rotina que avalia riscos de carga exportadas. A verificação leva em conta variáveis como o exportador, o transportador e o destino — a Europa é dos destinos que mais acendem o alerta por ser um dos principais mercados do tráfico internacional de drogas.

Desde 2015, quase 100% dos contêineres que circulam pelo terminal — seja por exportação ou importação, com ou sem mercadoria — são submetidos a inspeção por um scanner. A tecnologia desse equipamento é uma ferramenta fundamental na repressão ao tráfico internacional de drogas, na avaliação do delegado da Polícia Federal em Rio Grande, Ricardo Rodrigues Gonçalves.

A documentação da carga aponta que o contêiner foi abastecido na cidade de Rio Grande. E a droga foi colocada no contêiner antes de chegar ao porto, pois assim que passou pelo portão de entrada do terminal, a carga foi imediatamente submetida ao scanner, uma análise leva menos de minuto. 

Nas imagens projetadas pelo equipamento, os servidores avaliam um padrão que deve ser coerente em toda extensão da carga com o produto a ser exportado. Ao verificar a mercadoria, o equipamento mostrou que uma parte da imagem destoava do restante da carga. A partir daí, a Receita decidiu abri-la.

A droga estava dentro de um contêiner de produtos químicos, com capacidade de transporte de 22 toneladas. A cocaína ocupava duas fileiras e estava acomodada na porta, dentro de 34 malas esportivas. A Uva, uma pastor-belga-malinois, confirmou que o produto inspecionado estava "contaminado" antes mesmo da primeira mala ser aberta. Todo o restante era ocupado com o item original declarado à Receita, que não detalha a especificidade da mercadoria para não identificar o exportador.

A apreensão da droga despertou o alerta no porto de Rio Grande. A Receita Federal pretende analisar a logística completa da operação desta carga para identificar pontos do procedimento de inspeção que devem ser verificados com mais atenção.

Em parceria, Receita Federal e Polícia Federal (PF) irão investigar quem era o dono da droga e o responsável pela logística. Na PF, um inquérito já foi aberto e o trabalho está em fase preliminar de coleta de informações. Também cabe à PF a destruição da droga.

A Receita fará um relatório interno, registrando a operação, detalhando como a droga foi localizada e o utilizará como subsídio para novos estudos. Conforme o auditor, todas as cargas que vão pra Europa passam por análise de risco. Atualmente, a China é a principal rota das mercadorias que saem do porto de Rio Grande, pois é o destino das commodities da produção agrícola gaúcha, seguida por Europa e Estados Unidos.



Últimas notícias

VER MAIS NOTÍCIAS



Top Vídeos

:: assista aos destaques

Projeto de iluminação LED

Jairo Madril conversa sobre o assunto com Orlando Desconsi e Dado Silva

há 16 horas


Mobilização dos trabalhadores

há 17 horas


Grupo de orações

há 2 dias

Utilizamos cookies e outras tecnologias para melhorar sua experiência no website. Ao continuar navegando, você concorda com nossa Política de Privacidade e com nossos Termos de Uso.
CONCORDO