Saúde

Alecrinense morre após receber nebulização com hidroxicloroquina

Familiares denunciaram médico ao Ministério Público (MP), pois não autorizaram o procedimento.

Publicado em 05/04/2021 10h15 - Atualizado há 2 semanas - de leitura
Hospital de Caridade de Alecrim (RS) / Foto: Reprodução

Um homem de 69 anos, internado com sintomas de Covid-19 no Hospital de Caridade de Alecrim (RS) faleceu dois dias após ter feito quatro sessões de nebulização de hidroxicloroquina diluída. O fato foi denunciado ao Ministério Público, por familiares da vítima.

A família do paciente Lourenço Pereira, que evoluiu a óbito, destacou para a Gaúcha ZH, que não foi consultada sobre as nebulizações e afirma que não emitiu nenhuma autorização. Os familiares fizeram uma denúncia, alegando que a medicação contribuiu para a piora do quadro de saúde de Pereira.

O tratamento, sem eficácia comprovada e considerado experimental por não constar nos protocolos do Ministério da Saúde, foi prescrito pelo médico Paulo Gilberto Dorneles. A reportagem do Jornal Noroeste procurou o médico e a direção do Hospital, mas ambos não quiseram se manifestar.

“O que pretendemos é buscar justiça para tudo o que ocorreu com o meu pai no período da internação, para que outras pessoas não passem por tratamentos experimentais. Não teríamos autorizado, sobretudo por sabermos que essa conduta médica não tem base legal”, destacou Eliziane Pereira, 32 anos, filha de Lourenço.

O Secretário de Saúde de Alecrim, Gilberto Adair Minks, afirmou a nossa reportagem que foi tentado um leito de UTI na Unidade Dom Bosco, de Santa Rosa, para Lourenço, mas não existia na data disponibilidade.

Sobre Lourenço:

A filha Eliziane Pereira, contou que seu pai, tinha o hábito de se deslocar da sua residência de bicicleta até a área central da cidade. No dia 19 de março, uma sexta-feira, ele não conseguiu percorrer o trajeto porque sentiu falta de ar. O idoso telefonou para Eliziane, que mora em Porto Alegre, e ela chamou a ambulância que levou o homem ao hospital.

Na unidade de saúde, um exame confirmou que se tratava de Covid-19. Pereira, que tinha doença pulmonar crônica, intercalou no período de internação o uso de óculos nasal e máscara de Hudson para receber oxigênio.

A família ainda confirma, que no prontuário obtido, no segundo dia de internação, em 20 de março, o médico prescreveu inalações de hidroxicloroquina a cada seis horas.

“Diluir e nebulizar conforme orientação”, diz o campo do prontuário em que são anotadas as “observações”. O médico afirmou que um comprimido do fármaco foi repartido em quatro. As frações foram usadas em cada uma das quatro nebulizações feitas ao longo daquele dia.



Últimas notícias

VER MAIS NOTÍCIAS



Top Vídeos

:: assista aos destaques

Privatização da Corsan

Ex-prefeito de Santa Rosa, Orlando Desconsi, falou na manhã desta segunda-feira (19) sobre a privatização da Corsan.

há 17 horas


Mantei avalia os 100 primeiros dias de governo

há 18 horas


Programa Podcast Noroeste

há 18 horas