Saúde

Leite decide pela suspensão da cogestão e todo RS terá bandeira preta

Em reunião com a Famurs, governador afirmou que a medida se impõe neste momento grave da pandemia.

Publicado em 25/02/2021 15h19 - Atualizado há 2 meses - de leitura
Leite decide pela suspensão da cogestão e colocará todo RS em bandeira preta / Foto: Palácio Piratini

O Governo do Estado e a Famurs (Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul) realizam, nesta quinta-feira (25), uma reunião sobre a cogestão do Distanciamento Controlado. O governador Eduardo Leite e prefeitos tratam de medidas para conter os avanços da Covid-19 no Estado.

Em seu pronunciamento, Leite afirmou que seu posicionamento é pela suspensão da cogestão, entendendo que a medida se impõe neste momento. O governador ainda anunciou que todo Estado terá bandeira preta, seguindo os protocolos estipulados para a bandeira [abaixo].

Neste momento, o governador ouve os prefeitos. No entanto, ele afirmou que assume a responsabilidade pela decisão, mas que precisa contar com o apoio dos prefeitos. A medida seria válida por uma semana, de sábado (27) até o próximo domingo (07), para frear a transmissão do vírus. O Gabinete de Crise ainda deve deliberar sobre eventuais ajustes nos protocolos, porém, a tendência é que se tornem mais rígidos.

"Não temos o tempo para esperar, ver o resultado das medidas atuais", destacou Leite.

O procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, defendeu a decisão do governador. Dallazen apelou para que todos cumpram rigorosamente as medidas.

Em sua apresentação, a secretária da Saúde Arita Bergmann afirmou que 60% dos pacientes que chegam às UTIs vão a óbito. De acordo com ela, a implantação de 60 novos leitos por dia, o que sequer é possível, não seria suficiente.

A secretária destaca que tem feito apelo aos hospitais gaúchos para que criem ambientes aptos a receber mais pacientes.

O governo ainda anunciou o plano "Te Cuida RS", promovendo o alinhamento dos esforços de segurança no Estado para a fiscalização do respeito às medidas de enfrentamento da pandemia.

A reunião com os prefeitos terminou por volta das 17h, quando o governador encaminhou a decisão pela suspensão da cogestão a partir deste sábado. Leite pediu o apoio dos gaúchos para o enfrentamento deste momento crítico da pandemia.

O que muda com a bandeira preta

As aulas para a educação infantil e 1º e 2º anos do Fundamental, uma vez que sejam obedecidos os protocolos previstos, seguem autorizadas. 

O Ensino Médio e Técnico e o Ensino Superior (incluindo graduação e pós-graduação) só podem ocorrer de forma remota.

O ensino presencial é permitido, com restrições, atendimento individualizado e sob agendamento, apenas para atividades práticas essenciais para conclusão de curso de Ensino Médio Técnico concomitante e subsequente, Ensino Superior e pós-graduação da área da saúde (pesquisa, estágio curricular obrigatório, laboratórios e plantão), e Ensino Médio Técnico subsequente, Ensino Superior e pós-graduação (somente atividades práticas essenciais para conclusão de curso: pesquisa, estágio curricular obrigatório, laboratórios e plantão).

O futebol está mantido, sem a presença de público nos estádios. As partidas entre Inter e Corinthians, nesta quinta-feira (25), às 21h30, pelo Campeonato Brasileiro, e Grêmio e Palmeiras, no domingo (28), pela Copa do Brasil, não sofreram alterações.

No serviço público, apenas áreas da saúde, segurança, ordem pública e atividades de fiscalização atuam com 100% das equipes. Demais serviços atuam com no máximo 25% dos trabalhadores presencialmente.

Serviços essenciais à manutenção da vida, como assistência à saúde humana e assistência social, seguem operando com 100% dos trabalhadores e atendimento presencial.

Nos serviços em geral, restaurantes (à la carte ou com prato feito) podem funcionar apenas com tele-entrega e pague e leve, e 25% da equipe de trabalhadores. Essa definição também vale para lanchonetes, lancherias e bares. Salões de cabeleireiro e barbeiro permanecem fechados, assim como serviços domésticos.

O comércio atacadista e varejista de itens essenciais, seja na rua ou em centros comerciais e shoppings, pode funcionar de forma presencial, mas com restrições. 

O comércio de veículos, o comércio atacadista e varejista não essenciais, tanto de rua como em centros comerciais e shoppings, ficam fechados.

Cursos de dança, música, idiomas e esportes também não têm permissão para funcionar presencialmente.

No lazer, ficam proibidos de atuar parques temáticos, zoológicos, teatros, auditórios, casas de espetáculos e shows, circos, cinemas e bibliotecas. Demais tipos de eventos, seja em ambiente fechado ou aberto, não devem ocorrer.

Academias, centros de treinamento, quadras, clubes sociais e esportivos também devem permanecer fechados.

Todas as áreas comuns de lazer dos condomínios devem permanecer fechadas, incluindo academias.

Locais públicos abertos, como parques, praças, faixa de areia e mar, devem ser utilizados somente para circulação, respeitado o distanciamento interpessoal e o uso obrigatório e correto de máscaras. É proibida a permanência nesses locais.

Missas e serviços religiosos podem operar sem atendimento ao público, com 25% dos trabalhadores, para captação de áudio e vídeo das celebrações.

Bancos, lotéricas e similares podem realizar atendimento individual, sob agendamento, com 50% dos funcionários.

No transporte coletivo municipal e metropolitano de passageiros, é permitido ocupar 50% da capacidade total do veículo, com janelas abertas.

Leia também:

Comparativo bandeira preta e bandeira vermelha



Últimas notícias

VER MAIS NOTÍCIAS



Top Vídeos

:: assista aos destaques

Privatização da Corsan

Ex-prefeito de Santa Rosa, Orlando Desconsi, falou na manhã desta segunda-feira (19) sobre a privatização da Corsan.

há 17 horas


Mantei avalia os 100 primeiros dias de governo

há 18 horas


Programa Podcast Noroeste

há 18 horas